Sequência didática multidisciplinar nos anos iniciais

Saudações, Pensadores de Ciências!

Hoje teremos mais um post com sequência didática, com proposta de multidisciplinaridade (multidisciplinar significa reunir várias disciplinas em busca de um objetivo final), na qual iremos explorar os animais que se apropriam do corpo humano como moradia, nossos “hóspedes”.

A atividade proposta aqui é melhor aplicada em alunos do Ciclo I do Ensino Fundamental e contamos com a união entre as disciplinas de Ciências, Língua Portuguesa, Geografia e Matemática

E se você ainda não viu as sequências didáticas que já publicamos, pode clicar aqui, aqui e aqui também.

O livro paradidático usado será “O hóspede de Barnabé”, de Robson Rocha, da Editora Fapi.

Esta coleção explora aspectos da natureza da região do Pantanal e desperta o gosto pela leitura

Vem ver como desenvolvemos essa sequência didática. Você pode adaptá-la par seus alunos, encaixando outros elementos, textos parecidos, enfim, solte sua imaginação!

1ªEtapa:

                        Atividade Introdutória à recepção do texto

O professor inicia o diálogo com os alunos, centrado na identificação de animais que se apropriam do corpo humano como pulga, carrapato, piolho e bicho-de-pé. Para chegar no nome do bicho-de-pé, o professor pode explicar para as crianças que ele é muito encontrado em áreas rurais (curral ou chiqueiro) e que penetra pela pele do pé.

Nomeando esse inseto, o professor pede aos alunos que digam quem conhecia algo a respeito do parasita e explica que a presença dele em nosso corpo é resultado de um problema: a falta de cuidados com higiene pessoal e nosso corpo.

A seguir, o professor mostra a capa do livro e lê o título para os alunos. O professor desafia as crianças com as seguintes perguntas:

  • O que vocês veem na capa?
  • O que é um hóspede?
  • Para você, quem é Barnabé?
  • Para você, quem é o hóspede de Barnabé?

2ª Etapa:

            Leitura compreensiva e interpretativa do texto

O professor lê a narrativa para os alunos e, simultaneamente, mostra as ilustrações. Em seguida, o educador relê a narrativa, questionando os alunos a respeito do texto. Por exemplo:

  • Para você, por que Basé morava no pé de Barnabé?
  • Por que Basé ia para debaixo da unha de Barnabé?
  • Por que Basé desistiu de de viver no pé de Barnabé?

As próximas perguntas podem ser exploradas usando um planisfério do Brasil, as explorações podem ser relacionadas as regiões do Brasil, Rosa dos Ventos e muitas outras que o professor pode escolher, como os estados e suas capitais.

  • O que é o Pantanal? Onde ele fica?
  • Que bichos vivem no Pantanal?
  • Qual é o nome do rio que passa pelo Pantanal?

A seguinte questão pode ser explorada, com pesquisa via internet, os alunos podem procurar os diversos meios de transportes aquáticos.

  • Qual é o meio de transporte que navega no rio?
  • Foi nesse meio de transporte que navegou Basé?

Aqui pode-se explorar os movimentos corporais, através de um pequeno teatro sobre o circo, ou um jogo de mímica com os movimentos dos personagens circenses.

  • Quais foram os divertimentos de Basé no circo?
  • Por que será que Basé gostou do Palhaço Picolé?
  • Quem avisa as crianças sobre os perigos dos bichos-de-pé?

Essa questão dá oportunidade de construirmos uma lista de palavras, divisão silábica e construção de frases.

  • Que palavras terminam com o mesmo som de Barnabé?

3ª Etapa:

            Transferência e aplicação da leitura

Nessa etapa o professor pode mostrar textos, ilustrações e imagens reais do inseto. Pode seguir a roda de conversa apresentando detalhes como:

O fato de o bicho-de-pé ser um problema para a saúde de muitas pessoas no Brasil. É interessante mostrar a foto do parasita para que as crianças vejam que o bicho-de-pé é como uma pulga de cor marrom-avermelhada que, quando adulta, mede em torno de 1 mm de comprimento. Devemos explicar e também mostrar imagens da fêmea adulta, pois somente ela tem a capacidade de perfurar a pele do homem, porco e outros animais, para se alimentar de sangue e pôr seus ovos. Enfim, essa é a hora de explicar aos alunos que, para o bicho-de-pé, nosso corpo é como um ninho, que permitirá a reprodução de novos parasitas.

A ilustração mostra um ponto muito comum da presença desses parasitas: os dedos dos pés.

Imagem

É importante ressaltar que a infecção com o inseto é bem comum no verão pois há o cruzamento de dois fatores de risco, o solo úmido que favorece o aparecimento de larvas e o mau hábito de andar descalço justamente por causa do calor

Além dos pés, que dão o nome popular ao inseto, não podemos esquecer que esses animais podem afetar também as mãos e o calcanhar. Todo cuidado é pouco!

Os pés descalços, em contato com o solo, favorecem a infestação

Imagem

Um dos primeiros indícios de que o indivíduo sofreu infecção é uma coceira leve sentida na região onde a fêmea depositou os ovos. Em seguida pode aparecer um inchaço no local afetado. Mesmo sabendo que a fêmea morre logo após cumprir sua “missão de mãe” (É, meus amigos, no fim das contas, tudo é luta pela sobrevivência das espécies…), devemos retirar o inseto assim que percebemos sua presença no local para que não ocorram complicações como úlceras e inflamações na área atingida. Há relatos de casos mais graves que levaram até mesmo à amputação de partes dos pés.

Ao localizar um parasita, o melhor é retirá-lo imediatamente

Imagem

Aqui estão algumas imagens que você pode levar para sua aula sobre o bicho-de-pé

Taí o hóspede que ninguém quer receber

Imagem

Nessa ilustração podemos ver a fêmea com o abdome repleto de ovos

Imagem

Esse é dos grandes! M-E-D-O!! =0

Imagem

Nesse ponto da aula é importante conduzir o questionamento para os recursos que temos para evitar o bicho-de-pé, ou seja os cuidados com  a nossa saúde. O professor pode perguntar:

  • Quais as consequências de um bicho-de-pé no corpo humano?
  • Por que os bichos-de-pé entram na pele?
  • Quais são os cuidados que devemos ter com o nosso corpo?
  • Que hábitos de limpeza são recomendados para a manutenção da saúde?

A gente quer que as turminhas entendam a importância da higiene pessoal e isso pode ser feito de forma lúdica, com atividades que misturem também brincadeiras, que possam ser feitas em duplas e também com a ajuda da família, em casa. Gostamos quando nossos alunos levam o conhecimento adiante, envolvendo toda a família no processo do aprendizado. Selecionamos algumas atividades que você pode encontrar nesse site aqui e aplicar nas suas aulas:

Explore com os pequenos a importância da higiene pessoal, usando esse conjunto de atividades

Cruzadinhas são uma ótima maneira de fixar o conteúdo e trabalhar a escrita
Você também pode extrapolar essa atividade com um pouco de matemática, pesquisando o preço de produtos de higiene pessoal

E se você não é professor, mas descobriu tudo que esse bichinho pode aprontar no corpo humano, pode explorar esse assunto com as crianças em casa. Comece perguntando coisas como: você lava as mãos depois de ir ao banheiro? Tem lavado bem as frutas e verduras? Anda descalço por aí?

Não esqueça o quanto sua saúde é importante! Gostaria de ver uma sequência de didática sobre outro parasita ou tema ligado à saúde? Escreva sua sugestão nos comentários. Estamos esperando!

Até a próxima!!!

 

Sistema Circulatório: experiência em sala de aula

Saudações, Pensadores de Ciências!

Nossos estudos e experimentos não param. São tantas ideias que a cabeça chega até a ferver e o coração bate acelerado… falando em coração, este é o assunto que estamos tratando nos 4º anos do ensino fundamental, porque o corpo humano e o sistema circulatório não param, não é mesmo?

Aliás, se você não viu outros experimentos e estudos sobre o corpo humano, pode ver o que fizemos em sala de aula aqui e aqui

Iniciamos nossa conversa sobre Sistema Circulatório com uma pequena roda a fim de saber o que nossos alunos já conheciam a respeito. O conhecimento prévio é sempre aliado em nossas mediações.

Encerrada a roda de conversa, entramos com o livro didático, recurso que complementa nossa jornada.

sistema respiratório ensino de ciências ensino fundamental anos iniciais
Este é o livro que usamos com nossos alunos

Falamos sobre o coração, os vasos sanguíneos e pulsação, a partir desses conceitos fizemos o experimento para verificar os batimentos cardíacos.

Mostramos para as crianças onde poderiam sentir uma artéria, pois são vasos do sistema cardiovascular por onde passa o sangue que sai do coração. A musculatura das artérias é espessa, formando um tecido muscular bastante elástico, permitindo dessa maneira, que as paredes se contraiam e relaxem a cada batimento cardíaco. Assim ficaria mais fácil sentir a pulsação.

sistema circulatório experiência em sala de aula anos iniciais ensino fundamental
Olha só o momento de concentração

Depois de verificarem os batimentos em repouso (uma frequência cardíaca de 60-100 por minuto é considerada normal) e fazerem uma pequena anotação, passamos para o conceito de Pressão Arterial. Nesse momento, turminha soube de uma forma bem simples que a Pressão Arterial é a força que o próprio sangue exerce sobre as paredes dos vasos sanguíneos, após ser bombeado pelo músculo cardíaco. É, minha gente, o coração é um músculo.

sistema circulatório experiência em sala de aula anos iniciais ensino fundamental
Mostramos também essa imagem de um coração humano

Vimos também que a pressão é medida em dois tipos, a sistólica (máxima) e a diastólica (mínima), os dois valores são importantes para definir a pressão pois ela sofre oscilações ao longo do caminho pelo corpo humano. Uma pressão considerada normal para um adulto tem a máxima de 120 mmHg e a mínima de 80 mmHg.

sistema circulatório experiência em sala de aula anos iniciais ensino fundamental
Cada aluno teve sua pressão aferida e anotada

E agora, qual era nossa proposta?

Fomos brincar, correr e, na volta à sala, uma nova anotação seria feita, agora, depois do corpo exercer algum tipo de atividade física.

sistema circulatório experiência em sala de aula anos iniciais ensino fundamental
Teve gente que exagerou só um pouquinho nos exercícios…:D

Passamos para a segunda rodada de medições e anotações sobre os batimentos cardíacos que agora, certamente, apresentavam diferenças. Também aferimos, novamente, a pressão de alguns alunos.

sistema circulatório experiência em sala de aula anos iniciais ensino fundamental
A gente gosta de relatório assim: detalhado e colorido!
sistema circulatório experiência em sala de aula anos iniciais ensino fundamental
Mais um experimento concluído com sucesso! \o/

Por enquanto é isso ai pessoal!

E você já verificou seus batimentos cardíacos?

E sua pressão arterial, como anda? Não se esqueça de fazer seus exames periódicos, praticar exercícios físicos e cuidar da alimentação. Proteja seu sistema circulatório! Ame o seu coração! ❤

Até a próxima!

Sistema digestório em sala de aula com massa de modelar

Saudações, Pensadores de Ciências!

Dando continuidade ao conteúdo de Ciências de nossas turmas dos quartos anos do ensino fundamental, resolvemos propor o estudo sobre o sistema digestório com mais uma atividade que explorasse a dimensão lúdica e ainda permitisse que os alunos demonstrassem todo o conhecimento adquirido. Propusemos a montagem de um sistema digestório com massa de modelar. Pedimos para as crianças sentarem em grupos e, com ajuda de papel cartão e massa de modelar, convidamos a turma a construírem o sistema em 3D (objetos com três dimensões). 

E aí, começamos os trabalhos:

sistema digestório com massa de modelar
Foi só falar em “trabalho em grupo” que a turma inteira se mobilizou

Lógico que podia usar o livro didático para dar aquela espiadinha:

sistema digestório com massa de modelar
Todos queriam olhar o livro e fazer o seu própria sistema com todo cuidado

Depois de planejar como o trabalho seria feito, cada grupo colocou a “mão na massa”…literalmente! 😀

sistema digestório com massa de modelar
Aí foi só trabalho (e diversão, claro!) 😉

Para nossa alegria as montagens ficaram incríveis! Vem conferir:

sistema digestório com massa de modelar
Esse grupo não esqueceu a importância da mastigação. Olha aí os dentes nesta boca! =0
sistema digestório com massa de modelar
O resultado final de outro grupo!
Já esse outro grupo lembrou do movimento peristáltico e fez o bolo alimentar, descendo pelo esôfago! Não tá lindo!? ❤

Esses são os sistemas digestórios mais bonitos que a gente respeita! 😀

O que nos levou a propor um trabalho em grupo e com massa de modelar? 

Procuramos aqui trabalhar com o princípio de Educação Sensível, um compartilhar recíproco de experiências e vivências, que possibilita o conhecer e o repensar do viver humano pela educação sensível, em que o aluno percebe as sensações, os sentidos, aprende a ouvir, ver, falar, degustar para melhor se compreender, e compreender o outro, em suas peculiaridades e diferenças. Pesquisando mais sobre o tema, encontramos essa interessante explicação:

“Duarte Junior (2010) faz referência à crise dos sentidos na contemporaneidade. Conforme o autor, em meio a tantas mudanças que vêm ocorrendo, os sentidos ficam anestesiados, pois, em razão dessa rotina corriqueira e agitada, dificilmente o ser humano se posiciona frente ao outro, a fim de ouvir, para, então, poder ajudar ou compartilhar momentos recíprocos de conversações. Nesse sentido, as práticas de solidariedade estão se fragilizando, perdendo-se, e as poucas que ainda acontecem são motivos de notícias, pois são um diferencial em meio a uma sociedade que não “para”, para ouvir, nem ver, nem sentir, muito menos degustar.

Com essa experimentação as crianças puderam trabalhar com seus pares e praticar e perceber algumas sensações. Exercitaram e manipularam sentimentos e texturas. Além do saber escolar e científico, provocamos aqui o saber da vida em sociedade e da tolerância.  

E você já fez algum trabalho em 3D? 

E sobre a Educação Sensível, tem algo a nos contar? 

Deixe seus comentários e sugestões sobre o tema!

Até a próxima!

Sistema Digestório: experiência com ácido clorídrico

Saudações, Pensadores de Ciências!

E não é que as aulas voltaram e a gente já entrou no ritmo do “não para, não para, não para, não”?

Você já viu aqui que estamos trabalhando com as turmas dos 4º anos com o Sistema Digestório, e como o tempo urge e a curiosidade sempre bate a nossa porta, fizemos mais uma experiência em sala de aula.

Resolvemos trabalhar a digestão química. Sim nosso organismo tem 2 processos digestivos, o mecânico, que ocorre através da deglutição, mastigação, movimento peristáltico, e contrações musculares e o processo químico, que ocorre através dos os sucos digestivos que ajudam no processo de quebra das moléculas dos alimentos para serem absorvidas pelo nosso organismo.

Anota aí como fizemos essa experiência. Quem sabe você, aluno, mostra para o seu professor. E se você é professor, que tal fazer algo parecido com os pequenos aí, da sua turma?

Material:

01 Copo de leite

Vinagre

experimento aula de ciências sistema digestório ácido clorídrico digestão química
A experiência é muito simples e conta somente com esses dois itens: o leite e o vinagre

Aqui vamos simular a etapa que ocorre dentro do estômago onde as células da parede do órgão secretam o suco gástrico, esse suco contém o ácido clorídrico, que auxilia no controle da acidez estomacal e na absorção do Ferro.

Temos a proteína, que é o leite, e usamos o vinagre como o meio ácido.

experimento aula de ciências, sistema digestório, ácido clorídrico, digestão química. Ensino fundamental, anos iniciais. Ensino de Ciências.
Já começamos a ver a reação química

Misturamos o leite e o vinagre, no mesmo momento vemos o leite coalhar.

experimento aula de ciências, sistema digestório, ácido clorídrico, digestão química. Ensino fundamental, anos iniciais. Ensino de Ciências.
O ácido seguiu com seu processo de quebra de moléculas da proteína

Resolvemos esperar algumas horas para comprovar o processo no estômago, e olha o que aconteceu:

experimento aula de ciências, sistema digestório, ácido clorídrico, digestão química. Ensino fundamental, anos iniciais. Ensino de Ciências.
Com o passar do tempo, vimos a separação da água contida no leite
experimento aula de ciências, sistema digestório, ácido clorídrico, digestão química. Ensino fundamental, anos iniciais. Ensino de Ciências.
Os alunos pediram para tirar a água e ver como ficaria o leite

Vemos aqui a separação do líquido do sólido. No organismo, a parte mais sólida continua seu caminho para o duodeno, primeira parte do intestino delgado, lá recebe outros sucos e começa a absorção dos nutrientes pelo corpo humano. A água passa para o intestino grosso onde serão absorvidos os sais minerais e o restante será descartado, junto com as fezes.

experimento aula de ciências, sistema digestório, ácido clorídrico, digestão química. Ensino fundamental, anos iniciais. Ensino de Ciências.
Mas, antes, vimos, na imagem, as partes do intestino para observar os locais de absorção dos diferentes nutrientes
experimento aula de ciências, sistema digestório, ácido clorídrico, digestão química. Ensino fundamental, anos iniciais. Ensino de Ciências.
Agora sim, o resultado final da nossa experiência

 

E foi assim o nosso dia! É muito bom quando temos a oportunidade de mostrar tudo o que foi explicado e visto, na teoria do livro didático, de forma que as crianças entendam e se interessem em descobrir mais sobre os incríveis processos que se dão no interior do corpo humano. Com esse experimento, ficou muito claro para os alunos toda a exposição feita anteriormente. Os nomes que, a princípio, pareciam complicados, não assustavam mais as crianças. O conteúdo, dessa forma, ficou significativo, facilitando o entendimento e a aprendizagem. E não parou por aqui! \o/

A criançada até repetiu em casa o experimento. Foi muito gratificante ver o envolvimento de cada um em todos as etapas da atividade e saber que dividiram com a família o conhecimento adquirido.

E você? Já está animado a repetir essa experiência em casa ou na sua escola? Quando fizer, volte aqui e deixe seu comentário sobre tudo que viu. Estaremos esperando!

Até a próxima!

 

Redes Sociais e ONGs ambientais no Brasil

Saudações, Pensadores de Ciências!

O post de hoje é resultado de umas “andanças” que fizemos recentemente pelo mundo virtual. Vocês já sabem que o nosso objetivo é falar do ensino de Ciências, com foco em preservação ambiental, cuidado com a Natureza e com o meio em que nossos alunos, que estão nos anos iniciais do ensino fundamental vivem. Sabem também que a gente gosta de pesquisar ferramentas disponíveis na internet que nos ajudem a aprender sempre mais. Daí que, clique vai, clique vem… e fizemos uma pesquisa sobre sites que são verdadeiras Redes Sociais, articulando ONGs no Brasil cuja atuação prioriza apoio a ações ambientais.

comunicação digital comunicação em rede
Essa imagem tem tudo a ver com o post de hoje: comunicação em rede para um mundo melhor e mais amigável com a natureza ❤

Grupos ambientalistas têm usado a internet há décadas para articulares suas ações, unirem pessoas e buscarem apoio de diversos segmentos da sociedade civil para fortalecer comunidades em diferentes partes do Brasil e do mundo. As redes também auxiliam as ONGs a cobrarem mais ações governamentais em medidas que dizem respeito a diversos aspectos da preservação do meio ambiente.

Você pode conhecer o trabalho dessas instituições, saber todos os grupos beneficiados por sua atuação e, quem sabe, ajudar! Você pode se tornar um voluntário no terceiro setor, colaborando com a divulgação desses grupos entre os amigos, por meio de suas redes sociais. Quanto mais gente tiver acesso a informações, mais chance temos de tomarmos consciência de nossas práticas, mudarmos algumas atitudes e fazermos nossa parte por um mundo mais justo, do ponto de vista social e econômico, assim como um mundo bem mais “verde”. Dá só uma olhada na seleção de sites que fizemos.

planeta Terra ecologia
Uma nova relação com o planeta depende de novas atitudes

Imagens: Pixabay

A Articulação Semiárido Brasileiro é “uma rede que defende, propaga e põe em prática, inclusive através de políticas públicas, o projeto político da convivência com o Semiárido. É uma rede porque é formada por mais de três mil organizações da sociedade civil de distintas naturezas – sindicatos rurais, associações de agricultores e agricultoras, cooperativas, ONG´s, Oscip, etc.”  A ASA atua nos 10 estados que integram o semiárido brasileiro (MG, BA, SE, AL, PE, PB, RN, CE, PI e MA).

A Rede Grupo de Trabalho Amazônico é “Uma rede de comunidades da floresta. Em 1992, quando uma conferência mundial no Rio de Janeiro reconheceu que o futuro do planeta dependeria do meio ambiente, movimentos sociais ecoaram em todos os continentes que esse futuro ambiental também estava ligado com uma outra justiça social e cultural. Nesse contexto foi criado o Grupo de Trabalho Amazônico, rede que envolve mais de 600 entidades representativas de agricultores, extrativistas, indígenas, quilombolas, quebradeiras de coco babaçu, pescadores, ribeirinhos, entre outras“.

A Rede de ONGs da Mata Atlântica é uma das muitas organizações surgidas no âmbito das discussões da Conferência da Rio-92 e tem, em sua origem a preocupação de cooperar com o trabalho de muitos outros órgãos, formando o que eles chamam de “teia de informação e de relações entre as entidades, pois constatou-se que muitas necessitavam de conhecimento e respaldo político para a eficácia de suas ações locais“,

A Rede Aguapé de Educação Ambiental do Pantanal completa 15 anos em 2017 sendo a “a primeira e única rede de Educação Ambiental (EA) multinstitucional para as cidades pantaneiras e da Bacia do Alto Paraguai (BAP). O principal objetivo da Rede Aguapé é enraizar a educação ambiental na Bacia do Alto Paraguai e Pantanal, em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bolívia e Paraguai“. O trabalho da Rede Aguapé se diferencia das demais pois conta com estrutura governamental, através do Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA) e Ministério do Meio Ambiente (MMA).

Se você gostaria de saber sobre o terceiro setor, pode pesquisar mais sobre o tema, clicando na página da ABONG – Associação Brasileira de Organizações não Governamentais. Lá você vai encontrar uma grande quantidade de dados sobre as ONGs no Brasil.

Gostaram do tema de hoje? Se você quer que a gente faça um outro post com mais redes que trabalham com questões ambientais no Brasil, deixe sua sugestão nos comentários. Será um prazer divulgar mais instituições que atuam num setor tão importante para o país.

Até a próxima!

 

Ensino fundamental: o uso de tecnologias e os desafios do ensino

Saudações, Pensadores de Ciências!

Como a gente disse aqui, o segundo semestre já chegou “chegando” e a gente anda “cheia de assunto” para dividir com vocês! rsrsrs

Como vocês bem sabem, nosso blog divulga práticas pedagógicas voltadas para o ensino de ciências nos anos iniciais do ensino fundamental. E como também já dissemos aqui, nosso trabalho é totalmente vinculado às diretrizes educacionais de nosso município e, obviamente às leis federais.

O que nós buscamos é inovação na sala de aula. Entendemos que esse é o papel do professor pesquisador, analisar sua prática e buscar outras possibilidades de atuação. Nossa meta é despertar novos olhares, percepções que se alinhem com os interesses deles. O tempo dos nossos alunos é agora. Não adiantaria tentarmos ensinar do jeito que aprendemos. Nossa luta diária é nos reinventarmos como professores.

E põe luta nisso viu, minha gente! Mas…FELIZMENTE, essa luta não é só nossa, não. Muitos profissionais já perceberam que a internet e o uso de tecnologias em sala de aula é um caminho sem volta. E que as práticas de dez anos atrás, não despertam mais o mesmo interesse nas crianças.

celular na sala de aula. Blog ciências ensino fundamental anos iniciais
A presença dos dispositivos móveis mudou a relação do aluno com a lousa e o giz. Está na hora de nós, professores, mudarmos também.

Imagem: Pixabay

E, muito felizmente também, essa preocupação já está na pauta das universidades e centro de pesquisas brasileiros. Aí, com essa busca por aprender mais para ensinar melhor, fizemos uma parceria incrível com outra escola de educação integral aqui do município de Campinas, a E.E.I. Dr. João Alves dos Santos, para apresentarmos nossas práticas no VIII Congresso Fala Outra Escola, que está em andamento esta semana, na Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas.

Blog ciências ensino fundamental anos iniciais. Fala outra escola 2017
O Fala Outra Escola é oportunidade que os professores têm para dividir suas experiências e de conhecer novos projetos.

Este evento conta com um formato de Roda de Conversa, em que os professores têm a oportunidade de compartilhar com os colegas o que têm feito para transformar o espaço da escola e da sala de aula. Ampliando as possibilidades do processo de ensino e aprendizagem.

Vem que a gente te conta um pouco do que estamos vendo e aprendendo por lá.

Para começar, as professoras Elaine Messa e Juliana Baiocchi apresentaram as atividades que vêm desenvolvendo na escola João Alves. As práticas consideram o aluno em sua totalidade, como ser humano que encontrará, na escola, potencialidades de desenvolvimento para além dos conteúdos. Conteúdos esses que, muitas vezes, são ainda mais massificados numa escola de educação integral que, por ter a permanência do aluno estendida, esquece que é necessário trabalhar a integração, o trabalho em equipe, enfim, aspectos de convívio dos alunos no ambiente escolar.

Com essas necessidades em mente, as professoras puseram a “mão na massa”. Foram elaborados conjuntos de atividades permanentes, que trabalham diferentes habilidades e competências. Os alunos, divididos em grupos de 05 ou 06 pessoas, passam por essas atividades ao longo da semana, no modo “circuito” e executam as propostas em cada uma das estações em cada um dos dias da semana.

tabela de atividades pedagógicas. Educação. Ensino. Ensino Fundamental, anos iniciais.
Organização das atividades
tabela de atividades pedagógicas. Educação. Ensino. Ensino Fundamental, anos iniciais.
E a distribuição das tarefas entre as equipes

E alguns dos resultados:

Atividades pedagógicas. Educação. Ensino. Ensino Fundamental, anos iniciais.
Os alunos soltaram a imaginação e criaram imagens com as formas do Tangram
Atividades pedagógicas. Educação. Ensino. Ensino Fundamental, anos iniciais.
O trabalho com releituras de textos diversos também estimula dos pequenos
Atividades pedagógicas. Educação. Ensino. Ensino Fundamental, anos iniciais.
E os quadrinhos exigem dos alunos a capacidade de sintetizar as ideias para contar uma história

Congressos como o FALA OUTRA ESCOLA são grandes oportunidades para (re)encontrar colegas e conhecer a realidade de outras escolas, além de falar da nossa própria realidade, ouvir sugestões, conselhos e dicas preciosas. Pensar na nossa prática é muito importante, pensar na nossa prática em um coletivo de professores é ainda melhor.

Equipe apresentação do FALA OUTRA ESCOLA 2017
Da esquerda para a direita, a equipe que se apresentou no “Fala Outra Escola 2017”: as professoras Elaine Messa, Vanessa Petruz (nossa colega na E.E.I. Zeferino Vaz), Janaína Beltram e Juliana Baiocchi

Como diz um conhecido provérbio africano: “Se quer ir rápido, vá sozinho. Se quer ir longe, vá em grupo”

A gente quer ir muito, muito longe. Vamos juntos?

Até a próxima!

 

 

 

 

Pensando Ciências: pronto para o segundo semestre

Saudações, Pensadores de Ciências!

Como é bom estar de volta!

E vocês? Como foram de férias? Nós tiramos alguns dias de pausa, porque, realmente, se faz necessário. Quando se trabalha com alunos dos anos iniciais do ensino fundamental, alguns dias de paz e silêncio são sempre úteis…rsrsrs

Se você não viu o último post que fizemos antes das férias e que também comemorou o nosso primeiro aniversário, clica aqui!

Precisamos de novas ideias, ler, viajar e, até mesmo, não fazer nada. Isso também é inspirador.

Férias
Estávamos mais ou menos assim. Só que não! 😀

Mas… segundo semestre letivo está aí, batendo na nossa porta né nom? Então, vamos arregaçar as mangas e começar a trabalhar. Nossos alunos voltaram hoje. Cheios de histórias, de perguntas, de curiosidades… e de cobranças! rsrsrs…. Já querem saber o que vamos fazer, quais pontos teremos que estudar…

– “Vai ter prova, prô?”

– “O que vai cair?”

– “A gente vai ver alface de novo?”

Aí quando estamos quase pra sair correndo… vem um desenho, um abraço, e alguém diz:

– “Prô, eu estava com tanta saudade de você!”

Aí, a gente te pergunta: tem como resistir a essa turminha? Não, né?

Barulhentos como sempre, curiosos como nunca! ❤

lápis e ducação. Blog de ciências ensino fundamental
Vamos escrever histórias coloridas nesse semestre que se inicia? Vem com a gente, vem!

Imagens: Pixabay

E a gente ama demais isso tudo né?

Então, fica combinado assim: vamos continuar compartilhando por aqui, tudo que aprontamos com as crianças. E ainda tem mais. Quer saber de uma coisa? Essa semana já vai ter conteúdo novo!! Eba!

Aguarde que logo, logo nossa vida vai voltando ao normal e a gente continua contando com vocês, para seguir, Pensando Ciências!

Agora, se você ainda está de férias e os pequenos ainda estão em casa quase te levando à loucura gastando energia, você pode olhar as sugestões que deixamos nas últimas férias e curtir um bom filme.

Mande sugestões e dicas de assuntos que você gostaria que a gente explorasse aqui no blog.

Até a próxima!

Pensando Ciências: Um ano!

Saudações, Pensadores de Ciências!

É com honra, satisfação, amor e uma lagriminha aqui, no canto do olho, de tanta emoção, que anunciamos o aniversário de um ano do nosso blog!

Blog ciências ensino fundamental
É dia de festa!

Hoje também é o dia da publicação do nosso post de número 80 (oitenta posts, gente!!!)

Não temos palavras para agradecer aos nossos leitores. Ainda lembramos bem o dia que vimos que tínhamos atingido os primeiros 100 acessos. Não podíamos acreditar que 100 pessoas sabiam que a gente existia..rsrsrs…. hoje somos milhares! Milhares!!! Pessoal, vocês nos ajudam a pensar Ciências e a divulgar nosso trabalho por aí. Todo o agradecimento será insuficiente!

Blog ciências ensino fundamental. Anos iniciais. Ensino de ciências.
Obrigada, queridos leitores. Para vocês, o nosso aplauso

Registramos também nosso agradecimento aos colegas de trabalho, a todos que nos apoiam, ali no chão (quente) da escola. Colegas professores que divulgam o site em suas escolas, grupos de estudo…. aos pais que falam conosco nas reuniões, no portão da escola, mandam bilhetes…. é tanto amor (e trabalho) envolvido!

E aos alunos, que perguntam, fazem “bagunça”, às vezes nos enlouquecem, e, sempre, sempre nos inspiram…<3

Meninada: vocês são demais! \o/

E qual a importância de um blog sobre Educação e Ciências, afinal? Queremos mostrar que professores podem trazer o conhecimento escolar em uma linguagem leve e divertida, divulgando práticas de sala de aula que podem ser diferenciadas. Esse trabalho pode ser feito, no âmbito de uma escola pública, com o apoio da tecnologia, disponível em plataformas gratuitas e de fácil acesso para todos.

A nossa novidade não está no que ensinamos. Seguimos os conteúdos estabelecidos pela Secretaria Municipal de Educação de Campinas. A novidade está em mostrar que nossos alunos são os protagonistas. Eles são autores das aulas e atividades junto conosco. Consequente, são eles também que constroem tudo que vocês acompanham aqui. Defendemos que a escola é o lugar para a discussão do conhecimento produzido e acumulado pela humanidade, mas também pela reelaboração e proposição de ideias e hipóteses que levem a novos conhecimentos para meninos e meninas.

Sim, pessoal, está mais que na hora de incentivar cada vez mais meninas a participarem de estudos sobre Ciências, desde a mais tenra infância. Queremos romper com esse estigma de que os estudos de Ciências causam rejeição entre meninas e mulheres. A postura da escola devem ser sempre a de acolher e estimular todas as habilidades. E essa preocupação não é só nossa, não. Deixamos aqui uma reportagem sobre o desempenho de meninos e meninas brasileiros em avaliações internacionais. Essa reportagem da Revista Superinteressante também aponta aspectos sociais e culturais aos quais devemos prestar atenção para não repetir estereótipos na educação das crianças. E também informações sobre projetos da gigante Google, como esses que visam estimular a participação de mulheres no mundo da programação de computadores

E se você se interessou pelo tema, deixamos mais dois links, em inglês, esse aqui da UNESCO e esse artigo do jornal inglês The Guardian.

Falando em temas de língua inglesa… Pergunta pra ela que vai mandar no mundo do futuro?

Blog ciências ensino fundamental. Anos iniciais. Ensino de ciências. Meninas e mulheres nas ciências.
Who run the world? Girls, é claro! 😉

Imagens: Pixabay

E se esse é um post de aniversário, é um post de celebração, né? Então vamos celebrar esse bem que pertence a todos (e todas) nós, o conhecimento científico, ao qual todos podemos ter acesso. Todos mesmo: a criança, o leigo e o cientista, em todos os cantos do mundo, em todos os povos, línguas e tribos. Nosso trabalho nada tem de extraordinário. Trazemos, através do ensino de Ciências, mais um lugar de reflexão sobre a humanidade e sobre tudo que observamos na Natureza ao longo de nossa existência. É uma reflexão sobre nossos limites, mas também e, sobretudo, sobre nossas possibilidades.

E vocês? Topam passar mais tempo conosco, Pensando Ciências? Estamos esperando!

Até a próxima!

 

 

Sequência Didática com plantas medicinais: o alecrim

Saudações, Pensadores de Ciências!

Hoje, vamos falar de algo que não aparece por aqui faz tempo, mas que nossos leitores gostam muito. A sequência didática. Nossas atividades são voltadas para os anos iniciais do ensino fundamental, como vocês sabem. Mas, isso não impede que algum professor adapte as sequências para aulas nos anos finais. A sequência que apresentamos hoje (dirigida a alunos em processo de alfabetização), talvez possa até ser mostrada, de outra forma, com outros recursos, a alunos do ensino médio. Por quê não? Tudo é questão de preparar a aula e soltar a imaginação com a molecada.

Quer ver outras sequências didáticas? Tem aqui, aqui e aqui

Agora, segura na nossa mão e vem!

Sequência Didática: Plantas Medicinais – Alecrim

Público Alvo: Alunos do Fundamental I – Ciclo I – 1º e 2º anos

Conteúdos trabalhados: Ciências, Língua Portuguesa e História

Texto disparador: Música “Alecrim Dourado”

1ª Etapa: 

Atividade introdutória à recepção do texto

O professor pergunta as crianças se conhecem a música em questão, e coloca para ouvirem uma primeira vez. Na segunda vez, convida as crianças a cantarem junto. Já na terceira vez, faz uma brincadeira omitindo a palavra “alecrim” da canção.

A seguir o professor faz algumas perguntas investigativas na roda de conversa:

  • O que é um alecrim?
  • Para que serve?
  • Você já sentiu o cheiro do alecrim?
sequência didática com alecrim
A estrela de nossa aula: o alecrim. Imagem

2ª Etapa

Leitura compreensiva e interpretativa do texto

            O professor propõe a reescrita da música em duplas, oferecendo a eles a música fatiada em frases e depois em palavras.

sequência didática com alecrim
Atividade para trocar os versos da música

Logo em seguida, o professor pergunta se todos sabem o significado das palavras que são apresentadas na música e sana qualquer dúvida que possa haver.

Em seguida faz mais alguns questionamentos?

  • Por que o alecrim nasceu sem ser semeado?
  • Todas as plantas precisam ser semeadas para nascerem?
  • Como pode nascer uma planta sem ser semeada?

 3ª Etapa

Transferência e aplicação da leitura.

            O professor apresenta uma muda de alecrim e deixa que as crianças explorem a planta, cheirar, tocar, sentir texturas e etc.

Sugerimos que o professor siga os procedimentos abaixo:

  • Esclarecer a questão do alecrim nascer sem ser semeado, através da ação dos pássaros e do vento.
  • O professor explica para as crianças que o alecrim é uma planta medicinal e que suas propriedades são ensinadas desde muito antes do nascimento dos pequenos.
  • Pedir uma pesquisa junto à família sobre o uso de plantas medicinais em casa.
  • Nesse momento é necessário contar aos alunos a origem do conhecimento das plantas medicinais e fazer o resgate da cultura dos povos que trouxeram até nós essa medicina natural.
  • O professor pode oferecer o chá do alecrim para as crianças, e explicar sua ação medicinal.
sequência didática com alecrim
Na etapa de alfabetização, o questionário é respondido com os pais. Nas etapas mais avançadas de ensino, os próprios alunos respondem ou, até mesmo, fazem uma pesquisa na escola, com outros professores, funcionários… como dissemos, as possibilidades de criação com as atividades só dependem da nossa imaginação.
sequência didática com alecrim
O alecrim pode ser cultivado em vasos. Imagem

4º Etapa

Conclusão

Para o término da atividade, as crianças são convidadas a plantarem um canteiro com mudas de alecrim, ou pode-se levar a semente e mostrar que o alecrim pode nascer sendo semeado também. 😉

sequência didática com alecrim
Podemos preparar “vasos” junto com os alunos
sequência didática com alecrim
As sementes de alecrim podem ser adquiridas em casas especializadas, ou mesmo, em supermercados. Imagem

Deixamos aqui mais alguns links que pesquisamos e que podem servir de apoio para que você, professor, adapte a atividade às necessidades de sua turma.

Aqui você encontra informações sobre Plantas medicinais e fitoterapia

Um artigo sobre plantas medicinais de origem afro

Quer explorar um pouco mais? Que tal um artigo da wikipedia sobre medicina indígena?

Gostou? Divulgue esta e as outras sequências didáticas que você já viu aqui no nosso site entre os seus amigos professores. Tem alguma sugestão de sequência didática que poderíamos desenvolver? Deixe pra nós o seu comentário. Vamos adorar ter você conosco, Pensando Ciências!

Até a próxima!

 

Sistema Digestório: movimento peristáltico

Saudações, Pensadores de Ciências!

Nosso experimento de hoje segue o conteúdo previsto no currículo da rede municipal de educação de Campinas. Apresentamos o Sistema Digestório do corpo humano, para as turmas do 4º ano do ensino fundamental. Tenho certeza que você já deu uma espiadinha em alguns experimentos que mostramos aqui. Ainda não? Então aproveita. Alguns deles estão aqui e aqui.

Depois de aprendermos mais sobre o primeiro órgão do Aparelho Digestório, a boca, começamos a empurrar nosso bolo alimentar para os outros órgãos, afinal precisamos aproveitar a energia contida nele.

Mas o que é bolo alimentar? O alimento, ao chegar à boca, já inicia o processo de digestão. Primeiramente, ele é quebrado pelos dentes e começa a ser misturado, com a ajuda da língua, à saliva, que provoca sua umidificação. A saliva possui uma enzima chamada de amilase salivar, muco, sais e outras substâncias. Em virtude da presença da amilase, que é capaz de quebrar o amido, a digestão dos carboidratos inicia-se na boca.

Com a ação da saliva, da língua e dos dentes, o alimento torna-se uma pasta mole, que recebe o nome de bolo alimentar. O bolo alimentar é o nome dado, portanto, ao alimento mastigado e misturado à saliva.

E aí chegamos onde queríamos, o bolo alimentar formado na boca é impulsionado pela língua até a faringe e depois para o esôfago que através dos movimentos peristálticos chegam até o estômago.

E como funciona o movimento peristáltico? Também conhecidos como peristaltismo, consistem em movimentos involuntários realizados pelos órgãos do tubo digestivo (intestinos e esôfago). Esses movimentos são responsáveis por fazer com que o bolo alimentar caminhe ao longo destes, para que a digestão ocorra no devido local. Trocando em miúdos, é o ato de contrair e relaxar das paredes do nosso esôfago para empurrar o bolo alimentar até o estômago.

E olha o que fizemos…

sistema digestório movimento peristáltico
Esse pequeno esquema gráfico nos ajudou a entender o caminho percorrido
sistema digestório movimento peristáltico
Quem não tem esôfago, usa meia e arroz mesmo, foi assim que simulamos o órgão e seus movimentos
sistema digestório movimento peristáltico
E olha o interesse no nosso “esôfago”. Todos os alunos manipularam o experimento e simularam os movimentos peristálticos
sistema digestório movimento peristáltico
Com ajuda tudo fica mais fácil. Enquanto um contraía, outro relaxava. E viva o trabalho em equipe! ❤

E foi isso, gente!

Na verdade, amigos pensadores, essa foi uma das experimentações mais difíceis que fizemos. Não encontrávamos material que nos possibilitasse simular com precisão o movimento que queríamos. Usamos bexiga mais farinha, bexiga mais água, bexiga fina, larga… o pessoal do quinto ano tentando ajudar, foi uma correria, mas no fim tudo deu certo. Tudo acaba bem quando termina bem, não é mesmo? 😉

E você tem alguma sugestão de material? Como você, professor, demonstraria para seus alunos essa parte do corpo humano? Conte pra gente!

Até a próxima!