Estudo de temperatura e a tentativa de fazer um ar condicionado

Saudações,  Pensadores de Ciências! Tudo beleza?

Por aqui as coisas apertaram um pouco… vem ver o porquê.

Estamos estudando a temperatura e todas as outras concepções que ela abrange no projeto Gentileza gera Conhecimento Científico e surgiu a ideia de construir um ar condicionado de garrafas pet, igual esse que vimos no site Mundo Conectado.

O ventilador era a parte mais fácil, temos 2 em sala de aula, as garrafas, pedi para os alunos e o gelo comprei na padaria. E lá fomos nós.

A temperatura medida por volta das 8:00 h, com a professora Natali, estava marcada na lousa assim:

Temperatura: 24ºC

Sensação Térmica: 24ºC

Umidade do ar: 76%

Fiz uma nova marcação, para verificar a situação no meio da tarde.

Temperatura dentro da sala: 37ºC, às 15h26.

E com ajuda de alguns alunos começamos a montar o nosso ar.

Cortamos a garrafa na base, para colocar o gelo
O gelo foi colocado em cada uma das quatro garrafas
Afixamos as garrafas na parte de trás dos ventiladores

Fechamos as janelas e… Quase cozinhamos.

Fechamos as janelas para verificar se o experimento ia funcionar. O calor estava intenso!

Combinamos de verificar a temperatura de 10 em 10 min., a criançada ficou toda na expectativa.

E a curiosidade da turminha? Só aumentava

Temperatura às 15h36…. 37ºC!!!!

\o/

O que aconteceu?

Para nossa surpresa, o tempo foi passando e N-A-D-A acontecia, a temperatura da sala não baixava, mas sentíamos uma brisa mais fresca.

COMO ASSIM?

pratica de ensino de ciencias medindo temperatura
O termômetro não cedeu um grau sequer… 🙁

Até que alguém soltou um “ahhhh…”

Nós todos, atentos aos acontecimentos, logo “atacamos” o colega com várias perguntas, foi aí que veio nossa resposta para o que estava acontecendo. E não é que o aluno explicou direitinho?

A temperatura real da sala não mudava, o que estava mudando era a umidade relativa do ar, com o vapor d’água aumentando através das garrafas cheias de gelo e com o ventilador fazendo o papel de vento natural, nossa umidade aumentou resfriando a sala sem baixar a temperatura.

E foi assim que um experimento virou outro, sem querer. Nossos alunos compreenderam a ideia de sensação térmica e a importância da umidade do ar para o nosso bem estar.

É, pensadores de Ciências… Errar muitas vezes ajuda!

E você? Já viu alguma experiência em sala de aula não dar o resultado esperado? Que tal contar sua experiência aí nos comentários?

Até a próxima!

Alimentação e Produtos Industrializados

Saudações, Pensadores de Ciências!

Hoje é dia de falarmos sobre uma pequena experiência que fizemos com nossos alunos dos anos iniciais. E o tema da aula não poderia ser melhor: alimentação!

Nossas turminhas do quarto ano já aprenderam sobre vitaminas e sais minerais, alimentos reguladores, construtores e energéticos e você também pode estudar um pouco mais deste assunto, clicando aqui. Mas tudo isso foi visto in natura, faltava uma grande descoberta: os alimentos industrializados.

Expliquei a eles sobre alguns alimentos que estão presentes em nosso dia a dia, como o açúcar e levei o açúcar mascavo para que experimentassem e percebessem o gosto mais forte, parecido com o caldo de cana.

leitura de rotulo alimentos industrializados
A turminha estava super concentrada para aula
leitura de rotulo alimentos industrializados
Olha a carinha das meninas, sentido o doce do açúcar mascavo!

Mas precisávamos saber das embalagens, conservantes e tudo mais que os rótulos pudessem nos mostrar.

E partimos para uma atividade de LEITURA DE RÓTULO, onde os alunos precisariam observar…

  • Nome do produto;
  • Lista de ingredientes que compõem o produto;
  • Quantidade que o produto apresenta de cada um dos ingredientes;
  • Prazo de validade e data de fabricação;
  • Identificação de origem;
  • Tabela nutricional.
leitura de rotulo alimentos industrializados
A leitura da tabela nutricional despertou muita curiosidade

E foram muitas descobertas, desde quantidades excessivas de açúcares e sódio, até o uso de conservantes e falta de informações nas embalagens. Para vocês terem uma ideia, nenhuma embalagem analisada apresentava data de fabricação. Vamos melhorar isso aí, indústria de alimentos? Vamos ficar de olho!

Havia uma embalagem que nos deixou muitíssimos preocupados, nos ingredientes aparecia uma frase que dizia que o produto recebia radiação. Imagina a tensão na sala de aula, afinal quem não come um macarrão instantâneo… Radioativo?! E agora?!?!?!

leitura de rotulo alimentos industrializados
Nossos pequenos cientistas não deixaram escapar nenhum detalhe das embalagens! <3

Outros termos apareceram, como uso de produtos transgênicos. E aí, foi aquela confusão! Todo mundo querendo perguntar ao mesmo tempo. Depois do caos instalado da sessão de perguntas …. Decidimos os próximos dois itens sobre os quais teremos que pesquisar:

* O que é produto transgênico?

* Por que usar radiação no macarrão?

Nossas cabeças estão fervendo e a de vocês?

Sabe mais alguma coisa sobre alimentos industrializados? Tem dúvida sobre algo que dissemos aqui? Deixe suas impressões nos comentários. Venha nos ajudar nas próximas etapas dessa pesquisa!

Até a próxima!

 

Projeto: Estudo de temperatura

Saudações, Pensadores de Ciências!

              Já mostramos aqui um de nossos projetos sobre Temperatura, desenvolvido com as turmas do quarto ano do ensino fundamental e tudo o que pensamos pra ele em termos de interdiciplinariedade. Mas o que será que significa esse palavrão??

Interdisciplinariedade é um adjetivo que qualifica o que é comum a duas ou mais disciplinas ou outros ramos do conhecimento. É o processo de ligação entre as disciplinas.

Um planejamento interdisciplinar, na área pedagógica, é quando duas ou mais disciplinas relacionam seus conteúdos para aprofundar o conhecimento e tornar o ensino dinâmico. A relação entre os conteúdos disciplinares é a base para um ensino mais interessante, em que uma matéria auxilia a outra. Quer saber mais? É só conferir!

Palavrão explicado? Vamos lá.  Nosso conteúdo de Ciências, nesse projeto, trabalha principalmente com Matemática. E para que isso aconteça temos uma nova parceira nessa jornada a Professora Natali Seleguim, também da rede de ensino municipal de Campinas. olha ela aí:

Natali Seleguim
Professora Natali Seleguim

A professora Natali e eu temos anotado a temperatura do dia usando uma legenda criada por ela.

pratica de ensino de ciencias medindo temperatura
A legenda ajuda a visualizar as variações de temperatura ao longo do dia

Após realizar as anotações no caderno as crianças marcam em seus calendários individuais e também é anotado no calendário de uso comum.

pratica de ensino de ciencias medindo temperatura
O primeiro calendário feito pelos alunos ainda não continha todas as informações

Para fevereiro o calendário ainda não estava dividido e as informações da temperatura do período contrário ao da professora Natali só ficavam anotadas no caderno.

pratica de ensino de ciencias medindo temperatura
No mês de março, já usávamos mais dados

Na próxima foto, já vemos a anotação dos alunos, dividindo o dia em 2 partes.

pratica de ensino de ciencias medindo temperatura
Os alunos também adotaram a medição em dois períodos

E agora o que fazemos com essas informações? Transformamos em gráficos, tabelas, e situações problema, enriquecendo o aprendizado com informações vindas de todos os lados.

pratica de ensino de ciencias medindo temperatura
Todos os alunos estão entendendo a importância do uso dos gráficos pra sintetizar as informações

Para ajudar no andamento do trabalho, colocamos um termômetro na sala.

pratica de ensino de ciencias medindo temperatura
O termômetro também tem sido constantemente observado pelos nossos alunos

As turminhas também puderam conhecer a Estação de Avaliação da Qualidade do Ar, que fica dentro de nossa escola e pertence a CETESB.

pratica de ensino de ciencias medindo temperatura
Uma estação metereológica em nossa escola? Quanta honra! <3

Descobrimos que dentro daquele espaço apertado existem máquinas para medir itens como:  qualidade do ar, quantidade de chuva, umidade do ar, temperatura e muitas outras informações que despertaram muita curiosidade, como os índices UVA e UVB da luz solar… mas… isso já é uma outra história para outro dia.

Gostaram de conhecer um pouco mais deste projeto? Em breve, voltaremos com mais informações. Não se esqueça de deixar suas dúvidas e sugestões nos comentários.

Até a próxima!

 

Pensando Ciências visita: Ceasa Campinas parte II

Salve, Pensadores de Ciências!

Lembram-se da nossa última aventura? Visitamos a Ceasa Campinas e contamos a primeira parte dessa experiência bem aqui.

Hoje chegou o dia de contarmos o desfecho dessa saborosa visita. Vem ver como foi.

Como ninguém queria perder tempo, assim que seu Chiquinho terminou de explicar as atividades, fomos logo ver a área de frutas. Podemos dizer que vivemos momentos de arrepiar! 😀

Começamos nossa visita pela câmara fria que guarda as maçãs, frutas delicadas que exigem refrigeração até o momento da venda.

Ceasa Campinas
Produzidas, majoritariamente, na região sul do país, as maçãs são conservadas em baixas temperaturas
Ceasa Campinas
Olha a temperatura no interior da câmara fria: 02ºC

Viram que sufoco? O que não fazemos em nome do bloguismo científico-investigativo-educacional, não é mesmo? Ainda bem que ficamos muito pouco tempo por aqui! rsrsrs

Depois das maçãs, foi a vez de aprender sobre a banana. Essa, que é a fruta mais consumida no Brasil, também precisa de uma câmara climatizadora, com a adição do licopeno, um composto natural, responsável por dar pigmentação vermelha e amarela às frutas. O processo é aplicado à banana para que atinja o ponto certo de comercialização. A câmara tem um painel de controle que permite saber quando se pode interromper o processo.

Ceasa Campinas
Os funcionários controlam o amadurecimento da banana

E tudo isso, vem explicado num quadro para os comerciantes.

Ceasa Campinas
Com essa tabela, é possível acompanhar as etapas de amadurecimento das bananas

A partir daí, foi só diversão e conhecimento. A cada banca, uma surpresa. Uma nova cor e um novo aroma encantavam nossos sentidos.

Ceasa Campinas
A variedade de frutas é encantadora!
Ceasa Campinas
E a quantidade também impressiona!
Ceasa Campinas
Tá vendo aí, do lado do mamão? Saiba que este é o cupuaçu, uma fruta muito apreciada em sucos, sorvetes…
Ceasa Campinas
Muitas crianças ainda não conheciam a pitaya, presente na América Central. Também cultivada na Ásia, recebe o apelido de fruta do dragão

E para terminar a visita, seu Chiquinho organizou, juntamente com um grupo de comerciantes, uma mesa com frutas e suco de uva para a degustação! <3

Precisamos dizer que foi sucesso total com a criançada? Acreditamos que não! rsrsrsrs

Ceasa Campinas
Um dos muitos boxes do Ceasa Campinas. E, depois da banca….

… a mesa! Bom apetite!

Ceasa Campinas
Depois de tanto falarmos sobre a importância de uma alimentação equilibrada, era hora de ver como isso funciona, na prática! \o/

Voltando para a escola, a criançada fez questão de registrar a memória e as experiências marcantes desse dia. Veja só o que a nossa turminha disse

“Ceasa é um lugar que eles separam as frutas que podem ser consumidas das estragadas. Aí, eles mandam pro ISA e eles entregam para famílias que precisam”

“Foi muito legal estar com seu Chiquinho, ele nos levou para fazer degustação (…) ele nos levou na câmara fria e depois voltamos para escola”

“Bem, nem sei por onde começar, porque achei tudo muito legal. O Chiquinho nos mostrou muitas frutas, algumas eu nem sabia que existia e eu não parava de pensar em uma coisa que o Chiquinho tinha falado, a “degustação”, todo mundo estava falando sobre isso. Comemos algumas frutas, tomamos um suco muito bom e fomos embora”

É… a degustação foi sucesso mesmo! rsrsrsrs

E assim foi nosso dia de aprendizado, de diversão, de cores, sabores, aromas. Amizade, trabalho e cooperação. Essa é a verdadeira receita da felicidade.

Ceasa Campinas
Hora da foto!
Ceasa Campinas
O sorrisão da professora Janaína e do professor Ricardo Zambelli já dizem tudo: essa visita foi um sucesso!

Quer saber mais sobre a Ceasa? Agendar uma visita para sua escola? Ou só experimentar todas essas frutas deliciosas? Você vai gostar, com certeza. Para mais informações, acesse o site.

Deixe suas dúvidas nos comentários. Teremos prazer em responder!

Até a próxima!

Pensando Ciências visita: Ceasa Campinas

Saudações, Pensadores de Ciências!

Já estavam com saudade da nossa tag Pensando Ciências Visita? Nós também.  \o/

Se você ainda não acompanhava o blog no ano passado, passa aqui, aqui e aqui pra ver um pouco do que já aprontamos fizemos por aí.

Se você já nos seguia, sabe que, para nós, o Estudo do Meio é coisa séria. É “a aula fora da sala de aula”, como sempre dizemos aos alunos, e desta vez não foi diferente.  Nossa visita à Ceasa Campinas teve como objetivo mostrar aos alunos dos anos iniciais as verduras, os legumes e frutas (algumas pouco conhecidas) e incentivar a alimentação saudável. A atividade está diretamente ligada ao conteúdo previsto.

Para o quarto ano, programamos iniciar o ano letivo com os seguintes conteúdos:

  • Relação entre alimentação e defesas naturais do corpo.
  • Importância da correta manipulação, preparação e conservação de alimentos.

E para alcançar nossos objetivos, que são a compreensão do valor dos alimentos como fonte de energia e nutrição para o desenvolvimento e manutenção de um corpo saudável, discutindo a alimentação como um dos direitos humanos, é que resolvemos fazer essa aula diferente.

Ceasa Campinas
O Ceasa conta com programação de visita escolar para Campinas e região

Acontece que essa visita foi tão bacana que tivemos que dividir o post em duas partes. Nos próximos dias, você verá a segunda etapa dessa grande experiência.

Por enquanto, vem saborear o post com a gente!

Assim que chegamos, fomos recebidos pelo Sr. Francisco. O nosso amigo “Chiquinho” é só atenção e cuidado com as crianças.

Ceasa Campinas
O Chiquinho está há 38 anos na Ceasa! Sabe tudo e mais um pouco. 😉

Visitamos a área dos legumes e as surpresas não paravam.

Ceasa Campinas
Os mini legumes causaram “comoção” nos alunos. Você conhecia a mini abóbora?
Ceasa Campinas
O mini chuchu também fez sucesso

E foi aí que a nossa visita “esquentou”, Conhecemos a pimenta mais ardida do mundo. Com direito a recorde mundial no Guiness Book!

Ceasa Campinas
Eis que vimos a pimenta Scorpio, de Trinidad e Tobago. Dizem que queima com um simples contato com a pele…Medo!

Ainda no tema “ardência”, mas beeeem mais leve, vimos o gengibre:

Ceasa Campinas
O gengibre, conhecido por suas propriedades no combate a resfriados é também amplamente utilizado na culinária oriental.

E mais uma especiaria que, normalmente, só vemos em pó: o açafrão.

Ceasa Campinas
O açafrão é conhecido por sua ação antioxidante e também pelo controle do apetite e perda de peso.

Depois disso, visitamos uma outra área da Ceasa. O ISA, que é a entidade responsável por fazer a distribuição de área de alimentos que seriam descartados por não apresentarem condições de comercialização (tamanho ou cor inapropriados). Os alimentos são higienizados e entregues a creches, asilos e entidades assistenciais diversas. Um exemplo de combate ao desperdício de alimentos, que atinge níveis alarmantes no Brasil e no mundo.

Ceasa Campinas
O ISA faz um importante trabalho em Campinas
Ceasa Campinas
Os alimentos na esteira de higienização, antes de serem encaminhados para doação

Aí, que entre um aprendizado e outro, a gente se pega pensando que…

Ceasa Campinas
…bem que podia pedir uma porção de fritas… Batata é o que não falta! 😀

Gostaram da nossa visita? Conhecem lugares em sua cidade que também doam alimentos para entidades assistenciais? Dividam sua experiência conosco nos comentários.

No próximo post, confiram tudo que aprontamos no setor das frutas e vejam que saímos de lá alimentados de saberes (e de sabores). Ficaram curiosos? Aguardem!

Até a próxima!

 

Projeto Novo: Alameda!

Salve, Pensadores de Ciências!

Já deu pra perceber que não estamos pra brincadeira neste 2017, né? Nossas turmas dos anos iniciais do ensino fundamental nos instigam e motivam a procurar, a cada dia, um desafio para tornar o ensino de Ciências mais interessante e dinâmico. Voltado, também, para a Educação Ambiental e a consciência de si e do mundo a nossa volta.

Você já viu aqui e aqui o lançamento de outros projetos que nortearão nosso trabalho nos próximos meses. E, hoje, vamos falar de um projeto que começou pequenininho e, de repente foi crescendo… como uma árvore… e parece que vai nos trazer grandes alegrias! <3 Vem ver como foi:

Em 2016, queríamos encerrar o ano letivo plantando uma árvore para cada turma de 5º ano, para que eles acompanhassem o crescimento da “árvore da turma” até chegarem ao 9º ano quando o Ensino Fundamental se encerra. Queríamos que levassem com eles essa lembrança no coração.

Mas quem conhece escola sabe que é um espaço cheio de contratempos, contradições… enfim… as coisas não saíram como esperávamos… e nossa ideia? Bem, ela ficou guardadinha.

O ano de 2017 chegou e a ideia da árvore continuava lá. Descobrimos como conseguir as mudas sem custo! \o/

Sim! A Prefeitura de Campinas fornece a cada cidadão campineiro até 6 mudas gratuitamente. Quer saber mais? Olha a reportagem com mais dados sobre o viveiro municipal.

Com uma ideia na cabeça e uma árvore na mão… rsrsrs…. lá fomos nós pedir autorização para o plantio, e não é que recebemos uma proposta muito maior do que esperávamos? Ganhamos um pedaço de terra e tratamos de pensar em estratégias para envolver as crianças.

Bom, “ganhamos” a área na escola, mas esse presente estava mais pra desafio. Olha a área:

plantio de alameda de arvores na escola
Empolgante?! SQN! rsrs! Vimos que precisaríamos de uma recuperação séria dessa área

Notamos que era preciso fazer um estudo do solo antes de arriscar qualquer plantio. E o que a gente fez? Partiu pra ação!

plantio de alameda de arvores na escola
A turma observou o espaço e fez as primeiras anotações
plantio de alameda de arvores na escola
Tínhamos duas situações para observar: uma área com cobertura de vegetação e outra, sem
plantio de alameda de arvores na escola
Tínhamos duas situações para observa: uma área com cobertura de vegetação e outra, sem
plantio de alameda de arvores na escola
Todo mundo quis olhar “com as próprias mãos”! 😀
plantio de alameda de arvores na escola
Claro que deixamos, né? Tem coisa melhor que ver uma criança sentindo a terra?

Recebemos uma visita inesperada, acho que ele foi fiscalizar o projeto… rsrsrsrs!

plantio de alameda de arvores na escola
Perdão pela foto desfocada, mas era muita emoção envolvida! Um gambá! \o/

O gambá é um mamífero marsupial que habita desde o sul dos Estados Unidos até a América do Sul. É um dos maiores marsupiais da família dos didelfídeos. Pertence ao gênero Didelphis. É onívoro. Seu principal predador é o gato-do-mato.

E se você quer saber mais detalhes, é só pesquisar aqui.

Voltando ao nosso foco….  foi necessário fazer uma pequena experimentação. Os alunos acharam a terra muito seca e dura, resolveram cavar para observar se em uma maior profundidade o solo estaria mais úmido.

plantio de alameda de arvores na escola
É… não deu muito certo, não. Essa investigação já tava com cara de missão impossível!

E os alunos tomaram uma decisão: jogar um pouco d’água pra ver se ficava mais fácil cavar.

plantio de alameda de arvores na escola
A ciência é feita de muitas tentativas e alguns insucessos e nossos pequenos já sabem disso

Foi ai que o desespero começou, era aluno gritando de um lado:

Meu Deus, a água não penetra!!!!

E outros:

Joga mais água!

Antes que virasse uma piscina de lama… convidamos a turma para sentar e escrever sua observações.

plantio de alameda de arvores na escola
E tem gente preocupada com a situação, sabia? Como resolver? Precisaremos de ajuda? De quem?

Batizamos nosso projeto de Alameda, pois a definição no dicionário informal dizia que é uma rua densamente povoada por árvores, especialmente de trânsito de pessoas, espaço de convivência, espécie de parque linear. É exatamente o que temos lá, sem as árvores ainda… estamos trabalhando.

Resolvemos apresentar as dificuldades encontradas e algumas sugestões para o nosso orientador pedagógico.

plantio de alameda de arvores na escola
Olha a organização para apresentar o que foi visto! Tem dedinho levantado, esperando a vez de falar! <3
plantio de alameda de arvores na escola
Lá no fundo, nosso orientador Daniel trocava ideias com os alunos. Conhecimento compartilhado é Conhecimento multiplicado!

Depois de tudo isso, registramos, nos cadernos, as primeiras ideias e informações.

 

plantio de alameda de arvores na escola
Relatório de um dos alunos
plantio de alameda de arvores na escola
A sala sintetizou as observações em um resumo com tópicos para organizar as ações futuras

E agora, qual é nosso próximo passo? Acredito que precisaremos chamar os universitários. 😀

Tem muita coisa ainda para acontecer…

Gostou desse projeto? Deixe suas sugestões nos comentários? O que você sabe sobre plantio de árvores? Queremos compartilhar e espalhar conhecimento por aí! Gentileza gera Meio Ambiente!

Até a próxima!