Experiência com micro-organismos: vírus, bactérias e fungos

Saudações, Pensadores de Ciências!

Hoje vamos falar de um assunto que “quase ninguém vê”, os micro-organismos, ou, microrganismos. A experiência que trazemos hoje é sobre vírus, bactérias e fungos.

Nossos quartos anos do ensino fundamental avançaram com os conteúdos e estamos agora estudando os microrganismos e suas relações com os seres humanos.

Iniciamos contando para as turmas que os microrganismos são seres unicelulares, isto é, de uma única célula, e que, portanto, não podem ser vistos a olho nu, sendo visíveis apenas com uso de microscópios.

Logo depois falamos dos vírus, que são, praticamente, parasitas celulares, pois necessitam de outra célula viva para sobreviver, podem atacar animais, vegetais e bactérias. Esse assunto não era novidade para os alunos, pois conversamos sobre os vírus quando falamos de vacinas, alimentação e vitaminas.

Você também já viu microrganismos no blog aqui e aqui.

Experiência em sala de aula microrganismos vírus fungos bactérias meio de cultura anos iniciais ensino fundamental ensino de ciências
Nessa imagem temos o vírus influenza, causador da gripe

Imagem

Na sequência, falamos das bactérias, estes  seres microscópicos estão presentes em toda a parte, até mesmo no nosso corpo ajudando o sistema excretor, presentes também em alguns alimentos e remédios. Essa variedade de formas em que podemos encontrar as bactérias chamou a atenção dos nossos alunos. Resolvemos, então, fazer um pequeno experimento, um cultivo de bactérias.

O objetivo dessa experiência é mostrar a existência de bactérias e como elas contaminam o meio de cultura.

Para isso usamos:

Experiência em sala de aula microrganismos vírus fungos bactérias meio de cultura anos iniciais ensino fundamental ensino de ciências
Com material separado é só começar a estudar os microrganismos
  • Gelatina sem sabor
  • Caldo de carne
  • Cotonetes
  • Água para dissolver o caldo e a gelatina
  • 2 placas de petri, esse material transparente que você vê na foto. Se você não tiver, pode usar duas tampas de maionese.

Os alunos devem passar o cotonete no chão ou entre os dentes, ou ainda entre os dedos dos pés (de preferência depois de eles ficarem por um bom tempo fechados dentro dos tênis e meias). Existem outras opções, como usar as mãos sujas ou uma nota de dinheiro. O cotonete é esfregado levemente sobre o meio de cultura para contaminá-lo. Tampe as placas de petri ou envolva as tampas de maionese com filme plástico. Depois de três dias, observe as alterações.

Experiência em sala de aula microrganismos vírus fungos bactérias meio de cultura anos iniciais ensino fundamental ensino de ciências
Uma de nossas turmas, esperando a “mágica” acontecer! ❤

Após prepararmos os meios de cultura, era hora de colher as bactérias para a reprodução.

Experiência em sala de aula microrganismos vírus fungos bactérias meio de cultura anos iniciais ensino fundamental ensino de ciências
As bactérias também estão presentes em nossa boca, principalmente se, após as refeições, não fizermos a higiene apropriada! Bora escovar muito bem esses dentinhos, pessoal! 😀
Experiência em sala de aula microrganismos vírus fungos bactérias meio de cultura anos iniciais ensino fundamental ensino de ciências
E lá estávamos nós, colhendo bactérias! =o

As bactérias coletadas foram colocadas no meio de cultura através dos cotonetes.

Experiência em sala de aula microrganismos vírus fungos bactérias meio de cultura anos iniciais ensino fundamental ensino de ciências
A cor da cultura é referente ao caldo de carne, que fornecerá as condições para o desenvolvimento dos microrganismos

Agora estamos aguardando nosso “milagre particular da multiplicação”. São 3 dias de espera para o próximo capítulo. Estamos na expectativa. E você? Já fez experiências semelhantes na sua escola? Se ainda não fez, queremos saber o que você acha dessas atividades em sala de aula.

Por enquanto, acompanhe o desenrolar desta aventura com a nossa turminha.

Até a próxima!

Pensando Ciências Visita: Museu Exploratório de Ciências da UNICAMP

Saudações, Pensadores de Ciências!

No post de hoje, vamos falar de uma coisa que amamos: estudo do meio! \o/ Para nós, uma visita é sempre uma grande oportunidade de vivermos o aprendizado com nossos alunos. Quando a sala de aula está “na rua”, tudo parece ser mais fácil, e as atividades pedagógicas propostas ganham mais sentido. Com os anos iniciais do ensino fundamental, então…tudo fica ainda mais divertido.  E você é nosso convidado para mais um Pensando Ciências Visita. Vem!

Nossas turmas dos 5º anos foram realizar uma aula diferente, um estudo do meio. Aproveitamos que está acontecendo a 11ª Primavera dos Museus e agendamos uma visita mediada no Museu Exploratório de Ciências que fica dentro UNICAMP. Olha o site do museu aqui.

Lá pudemos observar duas exposições diferentes:

Cor da Luz: O código das cores, onde os alunos aprenderam como as imagens são formadas através das cores, possibilitando que nós a vejamos como elas realmente são. Vimos também algumas ilusões de ótica que enganam o sistema visual humano fazendo com que vejamos coisas que não existem, de fato.

Visita ao Museu Exploratório de Ciências da Unicamp. Aulas de ciências, anos iniciais, ensino fundamental.
Os monitores já tinham tudo na ponta da língua para responder nossas questões
Visita ao Museu Exploratório de Ciências da Unicamp. Aulas de ciências, anos iniciais, ensino fundamental.
Olha só que interessante!

Os dois cubos tem cores iguais?

Visita ao Museu Exploratório de Ciências da Unicamp. Aulas de ciências, anos iniciais, ensino fundamental.
Intrigante, não?!

Vemos variações de tons nos cubos, mas continuamos dando o mesmo nome para as pastilhas. O especial é que os quadrados azuis na parte superior do cubo da esquerda e os amarelos na direita, são da mesma cor: cinza.

Visita ao Museu Exploratório de Ciências da Unicamp. Aulas de ciências, anos iniciais, ensino fundamental.
Esse grande olho simula a formação de cores na retina
Visita ao Museu Exploratório de Ciências da Unicamp. Aulas de ciências, anos iniciais, ensino fundamental.
A turma brincando com as cores e sombras

Entramos na sala da Alice, uma sala mágica, onde as cores desaparecem e as figuras mudam com a luz.

Visita ao Museu Exploratório de Ciências da Unicamp. Aulas de ciências, anos iniciais, ensino fundamental.
O mundo de Alice…
Visita ao Museu Exploratório de Ciências da Unicamp. Aulas de ciências, anos iniciais, ensino fundamental.
Cada figura mais incrível que a outra

Já na exposição permanente, Praça Tempo e Espaço, as crianças verificaram alguns conhecimentos adquiridos em sala e também conheceram e aprenderam coisas novas.

A primeira coisa que notamos foi um grande Globo Terrestre que é utilizado para leituras solares, estações do ano, dia e noite etc.

Visita ao Museu Exploratório de Ciências da Unicamp. Aulas de ciências, anos iniciais, ensino fundamental.
O globo terrestre

Os antigos egípcios fizeram os primeiros relógios de sol por volta de 3500 a.C.

Visita ao Museu Exploratório de Ciências da Unicamp. Aulas de ciências, anos iniciais, ensino fundamental.
Relógio de sol

Aqui, verificamos que o campo da bússola magnética responde ao um campo magnético externo, ou seja, ao campo magnético da terra.

Visita ao Museu Exploratório de Ciências da Unicamp. Aulas de ciências, anos iniciais, ensino fundamental.
Mesa de Bússola

Até aí a gente já conhecia, mas apareceram umas coisas diferentes…

Visita ao Museu Exploratório de Ciências da Unicamp. Aulas de ciências, anos iniciais, ensino fundamental.
Praxinoscópio

O praxinoscópio, é um mecanismo que cria efeito de movimento a partir de imagens paradas e pode ser considerado um dos precursores do cinema. Com ele os pesquisadores conseguem observar o movimento do sol ao longo do ano e do dia e tantas outras coisas relacionadas.

Visita ao Museu Exploratório de Ciências da Unicamp. Aulas de ciências, anos iniciais, ensino fundamental.
Ritmo dos pêndulos

Os alunos puderam brincar e constatar alguns conceitos de física, como o período de oscilação do pêndulo simples.

E você já conhecia esse museu?

Foi a primeira vez que estivemos lá e adoramos, pois pudemos interagir com as exposições. É sempre bom também, além de Pensar poder brincar com a Ciências. 😉

Conta pra gente sobre alguma exposição ou museu que você gostou de conhecer. Tem algum museu que você gostaria de recomendar? Deixe aí nos comentários!

Até a próxima!

 

 

 

 

 

 

 

Sistema respiratório: Inspira e Expira!

Saudações, Pensadores de Ciências!

O post de hoje traz novamente o Sistema Respiratório como “estrela do dia”. Nós falamos dele aqui, lembram? Vamos falar mais um pouco desse conteúdo do quarto ano do ensino fundamental e claro que fizemos coisas diferentes para que nosso aprendizado ficasse muito mais interessante. Vem ver!

No primeiro momento verificamos o conhecimento dos alunos sobre o Sistema Respiratório e perguntei quais seriam os órgãos que o compõe. Claro que os primeiros a aparecer foram o pulmão e o nariz. O nariz fez muito sucesso, pois tem sua estrutura feita de cartilagem, que é um tecido do nosso corpo resistente e flexível, aparentam ser só dois buraquinhos por onde o ar deveria entrar para seguir para nossos pulmões, porem sua função é muito maior.

Neste órgão encontramos os famosos pelinhos, que vemos na imagem abaixo, são chamados de cílios e sua função é filtrar o ar, evitando que partículas de sujeira consigam entrar em outras partes do nosso sistema respiratório.

sistema respiratório ensino de ciências ensino fundamental anos iniciais
Os pelos do nariz são nossos guardiões

Imagem

Lá também encontramos o muco nasal que tem uma capacidade de segurar as partículas finas de sujeira e bactérias por ser bem pegajoso. Também tem a função de ajudar a umedecer as vias respiratórias.

No meio dessa conversa tão teórica apareceu a seguinte pergunta: E a meleca?

Fizemos uma bela pesquisa neste site aqui e a resposta, nós transcrevemos pra vocês…

“A meleca se forma porque junto com o ar, respiramos impurezas e microrganismos como vírus, bactérias e fungos. Isso tudo fica retido nos cílios e na secreção do nariz, quando a secreção fica saturada de impurezas, parte dela é removida. Quando estamos em um lugar muito poluído (poeira, fumaça e etc.) a produção da secreção nasal aumenta para reter as impurezas e evitar que ela chegue aos pulmões. Como os cílios estão em constante movimento, eles levam aquela massinha de caca misturada com poeira e micróbios para a abertura do nariz. Essa é a meleca!

Mais do que uma bolinha de sujeira sem serventia, a meleca é uma defesa do nosso organismo e serve como uma barreira protetora. Ela possui a consistência endurecida porque é ressecada pelo ar que entra quando respiramos Mas, embora seja útil, volta e meia, é preciso removê-la. Isso porque, em grande quantidade, ela pode atrapalhar a passagem de ar pelo nariz. E aos comedores de meleca fica um aviso: ao engolir meleca você está levando para o seu organismo impurezas, bactérias, vírus e outros microrganismos que ficaram retidos na mucosa nasal e isso é uma nojeira sem tamanho!”

O Pensando Ciências adverte: é preciso manter o nariz limpo. E por falar em limpar o nariz….

Olha quem a gente encontrou na internet dando uma “limpadinha no salão”, rsrsrsr… Parece que dessa ninguém escapa 😀 😀

sistema respiratório ensino de ciências ensino fundamental anos iniciais
Foi mal pelo flagra, Majestade…
sistema respiratório ensino de ciências ensino fundamental anos iniciais
Até tu, Brad?!

Imagens

Depois de passarmos pelo nariz, continuamos nossa caminha indo para boca, faringe, laringe, traqueia, brônquios, bronquíolos, alvéolos (os três últimos dentro do pulmão) e finalmente o pulmão e o diafragma.

sistema respiratório ensino de ciências ensino fundamental anos iniciais
Podemos visualizar o sistema respiratório e seus componentes

Imagem

Aí a coisa começou a ficar mais animada, já estávamos tão felizes em saber que uma rainha também tira caca do nariz e tantos outros atores que descobrimos na internet que o assunto não poderia ficar melhor… mais ficou e sério também.

Medooooooo!!!!

sistema respiratório ensino de ciências ensino fundamental anos iniciais
Estão curiosos?  =0

Imagem

Resolvemos usar a microscopia para encerrar nosso estudo sobre Sistema Respiratório, para quem não conhece, microscopia é um conjunto de técnicas que permitem a investigação científica por meio do microscópio. Se você ficou curioso sobre o assunto dá uma olhadinha aqui.

Fomos ao laboratório investigar o pulmão, e é claro que a gente não faz nada sem ajuda dos nossos biólogos de plantão, desta vez quem nos ajudou novamente foi a Professora Lúcia Caldas. Viva o trabalho de equipe! A nossa corrente do bem segue firme e forte. \o/

sistema respiratório ensino de ciências ensino fundamental anos iniciais
Professora Lúcia Caldas mostrando aos alunos a lâmina e a lamínula que é usada no microscópio

Na imagem acima a bióloga apresenta dois materiais importantes as crianças, A lamínula é usada para sobrepor ao material que está na lâmina durante a leitura no microscópio, o que permite uma melhor visualização do material. Para saber mais sobre material para laboratório, é só clicar aqui.

sistema respiratório ensino de ciências ensino fundamental anos iniciais
Olha a turminha, conhecendo o novo material de trabalho
sistema respiratório ensino de ciências ensino fundamental anos iniciais
Com a ajuda da professora Lúcia, os alunos puderam entender a operação do microscópio

Usamos uma lâmina com tecido pulmonar e olha o que podemos observar através do nosso microscópio.

sistema respiratório ensino de ciências ensino fundamental anos iniciais
Projetamos na TV a imagem dos alvéolos
sistema respiratório ensino de ciências ensino fundamental anos iniciais
Ampliamos a imagem e pudemos reconhecer o núcleo das células que formam o corpo humano, são essas pintinhas mais escuras que se sobressaem com o uso do corante que ajuda a melhorar a imagem
sistema respiratório ensino de ciências ensino fundamental anos iniciais
Chegamos ainda mais perto. Agora, a imagem dos alvéolos é bem mais nítida. Os alvéolos são essas imagens maiores um pouco mais claras.

É nos alvéolos que ocorre a troca gasosa entre o ar e o sangue. O sangue rico em gás carbônico (sangue venoso) chega aos alvéolos pulmonares pelos vasos capilares, e entra em contato com o ar que preenche os alvéolos por sua fina camada de células. Aí ocorrem as trocas de gases. O sangue libera o gás carbônico (dióxido de carbono) e capta o oxigênio, se transformando de venoso em sangue arterial (rico em oxigênio). Quer continuar pesquisando? Clica aqui!

E isso aí pessoal! Agora é respirar fundo e contar pra gente, aí nos comentários: já tinham estudado sobre o sistema respiratório? Conheciam a origem da meleca? E as imagens do microscópio, hein? Vamos ficando por aqui mas desejamos muito ar puro para vocês!

Até a próxima!

 

 

 

 

 

Sequência Didática: Saneamento Básico, Higiene e Animais Invasores

Saudações, Pensadores de Ciências!

O post de hoje é sobre saneamento básico e higiene e é mais uma Sequência Didática! Coisa que a gente gosta muito de publicar e que sabemos que vocês também gostam de ler. Afinal, quem não gosta de trocar ideias, experiências e pensar novos jeitos de ensinar e aprender? A gente ama! \o/

Falando nisso, o tema da higiene já apareceu nessa sequência didática aqui, lembra?

É.. até agora, tá tudo muito bom, tá tudo muito bem… mas nem tudo no post de hoje é tão fácil assim de “gostar”… quer ver?

Diz aí: quem é que gosta de encontrar uma baratinha andando pela casa? E quando um ratinho passa correndo e se esconde embaixo do sofá… #comofazBrasil?

PAUSA DRAMÁTICA

.

.

.

Pois é… Esses seres aterrorizantes da natureza são conhecidos como animais invasores. Isso porque eles “invadem” nossas casas em busca de alimentos. Mas… por que isso acontece??? Bom, antes que você ache que as baratas são um tipo de “castigo dos deuses”, vem conferir essa sequência, que pode ser usada no ciclo I do Ensino Fundamental.

Tema: Saúde, saneamento básico e higiene.

Conteúdos Participantes: Ciências, Português, Matemática e Artes.

Texto Norteador: O Rato Roque; Livro Boi da Cara Preta, Sérgio Caparelli, Editora L&PM. 2004. Porto Alegre.

Você pode adquirir o livro no site da editora

1ª Etapa

                        Atividade introdutória à recepção do texto

Coloca-se a palavra roque no quadro e perguntamos aos alunos sobre seu significado. A seguir, pedimos que repitam a palavra várias vezes, rapidamente, perguntando o que lhes sugere o som produzido pela repetição. O professor deixa que as crianças verbalizem suas impressões, procurando enfatizar a representação icônica do som: algo que está sendo roído. Se essa situação não for citada, é conveniente que o professor a mencione.

2ª Etapa

                        Leitura compreensiva e interpretativa do texto

O professor lê, com os alunos, expressivamente o poema, acentuando o ritmo dos versos. Em seguida, pode marcar o ritmo com palmas, batidas de mãos ou do lápis na mesa. Para marcar o ritmo do poema, o professor pode dividir a turma em dois grupos A e B, solicitando que o primeiro leia os versos ímpares, acentuando as sílabas mais fortes, e o segundo marque apenas o ritmo dos versos pares (roque roque). Conforme o interesse da turma e a disponibilidade de materiais, as crianças podem utilizar objetos confeccionados por elas, como latinhas com pedrinhas, pandeiros com tampinhas de garrafas e etc.

A seguir, o professor apresenta as atividades abaixo:

1-) Por que a palavra “Roque” aparece escrita com a letra inicial maiúscula e minúscula no poema?

2-) O que sugere a expressão “roque roque”?

3-) Desenhe três coisas que são roídas pelo rato e que podem ser vistas e tocadas pelas pessoas.

4-) Pinte, no poema, três nomes de coisas que o rato rói e que não podem ser tocadas pelas pessoas, mas que podem ser vistas (escreva o poema numa cartolina).

5-) Entregue para as crianças uma folha com 3 queijinhos desenhados, ou peça que elas desenhem e escrevam, dentro do queijo desenhado, as palavras da pergunta 3.

6-) Peça para os alunos ilustrarem o poema com os queijinhos.

Sequência didática saneamento básico e higiene, animais invasores. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Blog de ensino de Ciências. Blog de Ciências
Essa atividade pode ser muito divertida!

Imagem disponível aqui

7-) Verifique o conhecimento prévio dos alunos sobre o assunto Saneamento Básico.

8 -) Apresente textos e exercícios sobre Saneamento Básico e Higiene.

Você pode localizar textos de apoio aqui e aqui.

Veja, a seguir, algumas atividades que achamos e que podem também ajudar no aprendizado de noções de higiene.

Sequência didática saneamento básico e higiene, animais invasores. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Blog de ensino de Ciências. Blog de Ciências
As cruzadinhas sempre fazem sucesso. Divertem e ajudam a fixar o conteúdo.
Sequência didática saneamento básico e higiene, animais invasores. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Blog de ensino de Ciências. Blog de Ciências
O caça-palavras também não pode faltar
Sequência didática saneamento básico e higiene, animais invasores. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Blog de ensino de Ciências. Blog de Ciências
Aqui, uma outra cruzada
Sequência didática saneamento básico e higiene, animais invasores. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Blog de ensino de Ciências. Blog de Ciências
Mais um caça-palavras. E ainda treinamos a escrita das palavras encontradas.

9-) Continuando a atividade, é possível conversar com as crianças sobre hábitos de higiene e de prevenção aos “invasores” que podem trazer doenças. Olha mais um texto de apoio aqui.

10-) Para explorar o universo lúdico com as crianças, podemos fazer uma dobradura de rato.

Sequência didática saneamento básico e higiene, animais invasores. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Blog de ensino de Ciências. Blog de Ciências
Que tal criar uma exposição, com as dobraduras feitas pelos alunos?

Imagem disponível aqui

3ª Etapa

                        Transferência e aplicação da leitura

  • O professor, com o auxílio dos alunos, lista no quadro o nome de outros “invasores”.
  • O professor propõe a criação de um poema semelhante ao que foi lido, que tenha como “inspiração” um dos animais mencionados.
  • Elaboração de uma história com o Rato Roque e alguns dos animais mencionados.
  • Criação de um diálogo entre o Rato Roque e Maria, personagem referida no poema, no qual ela conscientize o rato sobre os problemas da falta de Saneamento Básico.

A partir desta atividade, o professor pode pedir uma pesquisa de como é o bairro das crianças em relação ao Saneamento. Pode-se também dar continuidade aos conteúdos, falando das verminoses e etc.

E o quê mais se pode fazer, gente? Tudo que sua imaginação quiser, oras! 😎

Deixe seu comentário ou sugestão sobre esta sequência didática? Que outra ideia você teve? O que faria diferente? Conhece outros materiais sobre o tema? Que tal discutir essa atividade pedagógica sobre saneamento básico e higiene com outros professores aí, na sua escola? Vamos adorar saber como vocês andam Pensando Ciências!

Até a próxima!

Projeto Alameda: Classificação e Coleção de Amostras de Solo

Saudações, Pensadores de Ciências!

Vocês estão lembrados do Projeto Alameda? Falamos dessa história aqui, aqui e aqui também e avisamos pra todo mundo que íamos dar seguimento em outro momento. E não é que esse momento chegou? Yeah! \o/

Como prometido, voltamos hoje para contar mais uma das etapas do nosso projeto.

Nossas crianças ficaram de trazer amostras variadas de solo, e elas chegaram.

projeto alameda amostra de solos. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Estudo do Solo. Projetos Pedagógicos.
Separamos os materiais e demos início aos trabalhos

Aproveitamos para nos aprofundar nos tipos de solo, sua composição química e classificação segundos esses aspectos.

Fomos atrás de descobrir o processo formativo de cada solo, e suas classificações, para isso usamos de início o material de apoio deste site aqui

Conversamos com a Geógrafa de nossa escola, a Professora Doutora Viviane Cracel.

projeto alameda amostra de solos. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Estudo do Solo. Projetos Pedagógicos.
Olha a professora Viviane aí, gente! ❤

Ela nos apresentou um material muito legal, bem mais didático e de fácil compreensão.

Primeiro usamos um texto de Manoel Fernandes de Souza Neto do livro Aula de Geografia e algumas crônicas. Campina Grande: Bagagem, 2008.

projeto alameda amostra de solos. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Estudo do Solo. Projetos Pedagógicos.
O uso de material extra foi decisivo para essa atividade com nossos alunos

Transcrevemos aqui um trecho do livro para que vocês possam conhecer um pouco mais da obra. Quem sabe, você não começa, aí, na sua escola, um novo trabalho? Vem ver!

Os solos são

            Os solos são uns filhos da rocha mãe. Até parecem ser bem quietos, mas essa aparente calmaria esconde o quanto os solos são vivos, vivíssimos para dizer a verdade. Enquanto os outros pensam que eles estão mortos há uma série de processos ocorrendo no seu interior, como se houvesse uma festa com os seres mais estranhos que alguém possa imaginar.

            E não pense que é só minhoca que passeia no solo. Lá passeia todo tipo de bactéria, de fungo, de bichinho que se vê a olho nu e de outros tantos que só mesmo com um microscópio. Aí meu amigo, com tantos seres assim, o solo fica parecendo uma espécie de mercado Persa, um tipo de feira livre, só que sem dinheiro. E é um troca-troca fantástico de elementos químicos, materiais orgânicos, sais minerais, que o solo vai se transformando permanentemente.

            E ciclo vai, ciclo vem e o solo é uma festa: é bactéria decompondo nitrogênio e trocando por outras coisas do gênero; é minhoca construindo caminhos e produzindo húmus; é água que vai deixando os sais quando evapora; é o ar que vai circulando pelos pequenos canais feitos de diminutos grãos de diferentes formas, tamanhos, cores e origem.

            E essa coisa de origem é fundamental, porque sempre disse minha avó, que os filhos parecem com os pais. Ora, se a rocha mãe for muito ferro, pode esperar que o solo vai ser meio vermelho; já se a rocha que é mãe for muito cálcio, o solo vai tender fortemente ao branco. E não pense que só a rocha mãe é que dá origem a tudo, pois o clima aparece nessa história meio como uma espécie de pai. Vai me dizer que nunca ouviu falar no tal intemperismo?! Pois o clima, amigo velho, decompõe a rocha mãe e o processo inicial a gente chama de intemperismo.

            Ora, ora, se o clima for meio árido, a tendência vai ser do clima quebrar muito a rocha; mas de mudá-la muito pouco, pois ela vai continuar, por mais quebrada que esteja com a mesma composição mineral e os solos tenderão a ser rasinhos, raquíticos, superficiais. Já se o clima for úmido, aí vai ser outra história, porque ele vai amaciar a rocha mãe, mudar suas características iniciais, torná-la menos rocha, menos dura e é claro, mais macia, mais profunda.

            Por isso o solo é como se fosse uma espécie da relação entre um clima, assim meio pai e uma rocha, meio mãe. É dessa relação que os filhos solos tendem a ser a cara encarnada e esculpida dos pais.

            E mais uma coisa meu amigo, o solo também cresce, também muda de horizonte com o tempo, também tem lá seu perfil, suas características, digamos assim, mais pessoais. Todo solo tem seus traços íntimos, sua identidade química, uma certa estrutura física. Uns são rasos, outros profundos; uns velhos, outros bem recentes; uns vermelhos, outros amarelos, alguns brancos, outros negros, além daqueles que possuem variadas cores.

            Os solos são vida e suas raízes, ainda que não nos demos conta disso, estão vivas dentro de nós.

Com essa leitura, nosso trabalho foi ficando mais fácil. Logo depois, usamos um outro material que a Professora Viviane nos forneceu e que nos ajudou a classificar os solos de uma maneira mais rápida e didática. O livro ” O solo sob nossos pés”, da autora Deborah de Oliveira, publicado pela Editora Atual.

projeto alameda amostra de solos. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Estudo do Solo. Projetos Pedagógicos.
Mais um livro fundamental para nossos estudos

Recebemos também da Professora a dica de alguns sites que nos ajudariam, como o Pedagogia Fácil e o site dos professores da UFPR.  Os dois sites são fantásticos, mas foi no Programa Solo na Escola da Universidade Federal do Paraná que descobrimos uma coleção de experimentações que virou nosso baú de riquezas. Encontramos uma EXPERIMENTOTECA DE SOLOS e uma COLEÇÃO DE CORES DE SOLOS (COLORTECA). Bingo! Era o que queríamos fazer, nosso acervo de solos, mas agora tínhamos um norteador para ajuda. Deixamos aqui o nosso sincero agradecimento à equipe que, muito gentilmente, autorizou o uso do material produzido por eles e também já deu dicas, sugestões de intervenção no solo…Foi incrível!

Chegou a hora de mostrarmos tudo que fizemos. Segura na nossa mão e vem!!

projeto alameda amostra de solos. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Estudo do Solo. Projetos Pedagógicos.
Organizamos as amostras trazidas pelos alunos

Colocamos as amostrar para secagem, e aproveitamos para brincar um pouco com a amostra 07, que é um solo argiloso.

projeto alameda amostra de solos. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Estudo do Solo. Projetos Pedagógicos.
Nesse dia, todo mundo estava liberado para mexer na terra! 😀
projeto alameda amostra de solos. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Estudo do Solo. Projetos Pedagógicos.
E teve produção de relatório também! 😉
projeto alameda amostra de solos. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Estudo do Solo. Projetos Pedagógicos.
Tudo explicado: cada um registrou as diferenças entre as amostras
projeto alameda amostra de solos. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Estudo do Solo. Projetos Pedagógicos.
É muito interessante ver como cada um organiza o relatório do seu jeitinho!
projeto alameda amostra de solos. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Estudo do Solo. Projetos Pedagógicos.
A conclusão também era fundamental. E todos se saíram bem. A gente ❤

Organizamos nossas amostras.

projeto alameda amostra de solos. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Estudo do Solo. Projetos Pedagógicos.
Era hora de recolher as amostras nos potes
projeto alameda amostra de solos. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Estudo do Solo. Projetos Pedagógicos.
Deixamos em uma das estantes da sala para que os alunos pudessem rever e até explicar para os demais professores da turma

E voltamos a Alameda para conferir, se tudo estava correto.

projeto alameda amostra de solos. Ensino de Ciências, anos iniciais, ensino fundamental. Estudo do Solo. Projetos Pedagógicos.
Uma das turmas do quinto ano, durante a verificação do solo onde criaremos a Alameda

Já conversamos com nosso Orientador Pedagógico e apresentamos nossas novas análises, acreditamos que agora precisamos remexer o solo e complementar com adubação, que pode vir de uma compostagem, pensamos também em uma cobertura vegetal, como grama, tudo isso está sendo analisado e logo, logo, vocês saberão mais do que estamos aprontando.

Já fizeram alguma coisa parecida?

Eu confesso que tudo isso é novo para mim e para nossos alunos também, mas todas as descobertas têm sido tão legais que a cada aula pensamos em outras possibilidades e nossas cabeças piram e mudam a todo instante. Esse trabalho também é fruto de uma “corrente do bem”. Começou com a nossa colega Viviane, ali mesmo, na nossa escola e nos levou até o Paraná! Não é incrível saber tudo que o conhecimento pode proporcionar?

O escritor Lewis Carrol, em Alice nos país das maravilhas diz a seguinte frase:

“Eu… eu… nem eu mesmo sei, nesse momento… eu… enfim, sei quem eu era, quando me levantei hoje de manhã, mas acho que já me transformei várias vezes desde então. ”

E assim seguimos nossas aulas, nessa metamorfose ambulante.

Conte para gente o que você tem feito de diferente e que te provoca mudanças na sua escola.

Até a próxima!