Sistema Digestório: conhecendo a língua

Saudações, Pensadores de Ciências!

Hoje vamos voltar um pouco no tempo, pois, algumas dúvidas sobre o Sistema Digestório ficaram no ar e não podemos deixar passar… precisamos falar da Língua.

O início de nossa digestão é na boca, é lá que as glândulas salivares ajudam na quebra do carboidrato e com a ajuda dos dentes e língua, transformam o alimento em bolo alimentar. Até aí tudo bem, a saliva molha os alimentos, os dentes cortam, rasgam e trituram, mas e a língua, o que faz mesmo? Já falamos dela aqui mas…. o tempo passou…. a turma mudou e as perguntas são as mesmas e isso é muito interessante.

A Língua empurra o bolo alimentar contra os dentes, movimenta o alimento, além disso mistura a saliva com a comida e ajuda a empurrar o alimento parar a faringe iniciando o processo de deglutição. Mas espere, não é só isso! Além do que você leu, a língua tem glândulas que ajudam a sentir os sabores e também ajudam na fala. É um músculo preso a mandíbula.

Você deve estar se perguntando: O que esse povo do Pensando Ciências aprontou desta vez?

Levamos a língua para a sala de aula!

O que? Como assim?

A Língua dos bovinos também conta com papilas gustativas e foi essa aí que acabou na sala.

Experiência língua sistema digestório
Língua bovina
Experiência língua sistema digestório
Olha aí nosso querido aluno Lucas sentindo suas papilas.

Lembramos às crianças dos órgãos do sentido e como funciona a percepção de sabores na Língua.

Experiência língua sistema digestório
Mapa de sabores da língua

Imagem

E é claro que fomos comprovar o esquema aí de cima, usamos um pouquinho de sal para a experimentação.

Experiência língua sistema digestório
Primeiro, colocamos o sal bem na pontinha da língua. A sensação foi de ardor, queimação, não foi salgado
Experiência língua sistema digestório
Depois colocamos o sal no fundo da língua e, mais uma vez, a surpresa foi que o gosto era mais amargo que salgado

E partimos para a manipulação, ninguém aguentava mais, queriam sentir as papilas e o órgão tão musculoso que temos na boca.

Experiência língua sistema digestório
Sentido as papilas
Experiência língua sistema digestório
E virada para baixo também!

E é obvio que tiramos a pele e mostramos as fibras musculares, o serviço tinha que ser completo.

Experiência língua sistema digestório

Experiência língua sistema digestório
Vocês podem imaginar a euforia das crianças à medida que fomos partindo a língua?

Experiência língua sistema digestório

Experiência língua sistema digestório
Mais uma missão cumprida!

Essa nossa experimentação foi tão boa que vários alunos fizeram as famílias conhecerem o mapa dos sabores, muita gente comeu sal por aí… rsrsrs! Desculpa aí, família. É tudo pelo bem da Ciência! 😀

Ah! Teve até família que, para fortalecer o aprendizado, fez a língua para o jantar. Não é muito legal quando todo mundo se envolve?

E quando decide experimentar (literalmente) novos sabores? E você? Já tinha prestado atenção na sua língua? O que sabia sobre este importante componente do sistema digestório? Divida conosco suas experiências aí nos comentários. Vale compartilhar receitas de preparo de língua também, tá? 😉

Até a próxima!

 

 

 

Sistema digestório em sala de aula com massa de modelar

Saudações, Pensadores de Ciências!

Dando continuidade ao conteúdo de Ciências de nossas turmas dos quartos anos do ensino fundamental, resolvemos propor o estudo sobre o sistema digestório com mais uma atividade que explorasse a dimensão lúdica e ainda permitisse que os alunos demonstrassem todo o conhecimento adquirido. Propusemos a montagem de um sistema digestório com massa de modelar. Pedimos para as crianças sentarem em grupos e, com ajuda de papel cartão e massa de modelar, convidamos a turma a construírem o sistema em 3D (objetos com três dimensões). 

E aí, começamos os trabalhos:

sistema digestório com massa de modelar
Foi só falar em “trabalho em grupo” que a turma inteira se mobilizou

Lógico que podia usar o livro didático para dar aquela espiadinha:

sistema digestório com massa de modelar
Todos queriam olhar o livro e fazer o seu própria sistema com todo cuidado

Depois de planejar como o trabalho seria feito, cada grupo colocou a “mão na massa”…literalmente! 😀

sistema digestório com massa de modelar
Aí foi só trabalho (e diversão, claro!) 😉

Para nossa alegria as montagens ficaram incríveis! Vem conferir:

sistema digestório com massa de modelar
Esse grupo não esqueceu a importância da mastigação. Olha aí os dentes nesta boca! =0
sistema digestório com massa de modelar
O resultado final de outro grupo!
Já esse outro grupo lembrou do movimento peristáltico e fez o bolo alimentar, descendo pelo esôfago! Não tá lindo!? <3

Esses são os sistemas digestórios mais bonitos que a gente respeita! 😀

O que nos levou a propor um trabalho em grupo e com massa de modelar? 

Procuramos aqui trabalhar com o princípio de Educação Sensível, um compartilhar recíproco de experiências e vivências, que possibilita o conhecer e o repensar do viver humano pela educação sensível, em que o aluno percebe as sensações, os sentidos, aprende a ouvir, ver, falar, degustar para melhor se compreender, e compreender o outro, em suas peculiaridades e diferenças. Pesquisando mais sobre o tema, encontramos essa interessante explicação:

“Duarte Junior (2010) faz referência à crise dos sentidos na contemporaneidade. Conforme o autor, em meio a tantas mudanças que vêm ocorrendo, os sentidos ficam anestesiados, pois, em razão dessa rotina corriqueira e agitada, dificilmente o ser humano se posiciona frente ao outro, a fim de ouvir, para, então, poder ajudar ou compartilhar momentos recíprocos de conversações. Nesse sentido, as práticas de solidariedade estão se fragilizando, perdendo-se, e as poucas que ainda acontecem são motivos de notícias, pois são um diferencial em meio a uma sociedade que não “para”, para ouvir, nem ver, nem sentir, muito menos degustar.

Com essa experimentação as crianças puderam trabalhar com seus pares e praticar e perceber algumas sensações. Exercitaram e manipularam sentimentos e texturas. Além do saber escolar e científico, provocamos aqui o saber da vida em sociedade e da tolerância.  

E você já fez algum trabalho em 3D? 

E sobre a Educação Sensível, tem algo a nos contar? 

Deixe seus comentários e sugestões sobre o tema!

Até a próxima!

Sistema Digestório: experiência com ácido clorídrico

Saudações, Pensadores de Ciências!

E não é que as aulas voltaram e a gente já entrou no ritmo do “não para, não para, não para, não”?

Você já viu aqui que estamos trabalhando com as turmas dos 4º anos com o Sistema Digestório, e como o tempo urge e a curiosidade sempre bate a nossa porta, fizemos mais uma experiência em sala de aula.

Resolvemos trabalhar a digestão química. Sim nosso organismo tem 2 processos digestivos, o mecânico, que ocorre através da deglutição, mastigação, movimento peristáltico, e contrações musculares e o processo químico, que ocorre através dos os sucos digestivos que ajudam no processo de quebra das moléculas dos alimentos para serem absorvidas pelo nosso organismo.

Anota aí como fizemos essa experiência. Quem sabe você, aluno, mostra para o seu professor. E se você é professor, que tal fazer algo parecido com os pequenos aí, da sua turma?

Material:

01 Copo de leite

Vinagre

experimento aula de ciências sistema digestório ácido clorídrico digestão química
A experiência é muito simples e conta somente com esses dois itens: o leite e o vinagre

Aqui vamos simular a etapa que ocorre dentro do estômago onde as células da parede do órgão secretam o suco gástrico, esse suco contém o ácido clorídrico, que auxilia no controle da acidez estomacal e na absorção do Ferro.

Temos a proteína, que é o leite, e usamos o vinagre como o meio ácido.

experimento aula de ciências, sistema digestório, ácido clorídrico, digestão química. Ensino fundamental, anos iniciais. Ensino de Ciências.
Já começamos a ver a reação química

Misturamos o leite e o vinagre, no mesmo momento vemos o leite coalhar.

experimento aula de ciências, sistema digestório, ácido clorídrico, digestão química. Ensino fundamental, anos iniciais. Ensino de Ciências.
O ácido seguiu com seu processo de quebra de moléculas da proteína

Resolvemos esperar algumas horas para comprovar o processo no estômago, e olha o que aconteceu:

experimento aula de ciências, sistema digestório, ácido clorídrico, digestão química. Ensino fundamental, anos iniciais. Ensino de Ciências.
Com o passar do tempo, vimos a separação da água contida no leite
experimento aula de ciências, sistema digestório, ácido clorídrico, digestão química. Ensino fundamental, anos iniciais. Ensino de Ciências.
Os alunos pediram para tirar a água e ver como ficaria o leite

Vemos aqui a separação do líquido do sólido. No organismo, a parte mais sólida continua seu caminho para o duodeno, primeira parte do intestino delgado, lá recebe outros sucos e começa a absorção dos nutrientes pelo corpo humano. A água passa para o intestino grosso onde serão absorvidos os sais minerais e o restante será descartado, junto com as fezes.

experimento aula de ciências, sistema digestório, ácido clorídrico, digestão química. Ensino fundamental, anos iniciais. Ensino de Ciências.
Mas, antes, vimos, na imagem, as partes do intestino para observar os locais de absorção dos diferentes nutrientes
experimento aula de ciências, sistema digestório, ácido clorídrico, digestão química. Ensino fundamental, anos iniciais. Ensino de Ciências.
Agora sim, o resultado final da nossa experiência

 

E foi assim o nosso dia! É muito bom quando temos a oportunidade de mostrar tudo o que foi explicado e visto, na teoria do livro didático, de forma que as crianças entendam e se interessem em descobrir mais sobre os incríveis processos que se dão no interior do corpo humano. Com esse experimento, ficou muito claro para os alunos toda a exposição feita anteriormente. Os nomes que, a princípio, pareciam complicados, não assustavam mais as crianças. O conteúdo, dessa forma, ficou significativo, facilitando o entendimento e a aprendizagem. E não parou por aqui! \o/

A criançada até repetiu em casa o experimento. Foi muito gratificante ver o envolvimento de cada um em todos as etapas da atividade e saber que dividiram com a família o conhecimento adquirido.

E você? Já está animado a repetir essa experiência em casa ou na sua escola? Quando fizer, volte aqui e deixe seu comentário sobre tudo que viu. Estaremos esperando!

Até a próxima!

 

Sistema Digestório: movimento peristáltico

Saudações, Pensadores de Ciências!

Nosso experimento de hoje segue o conteúdo previsto no currículo da rede municipal de educação de Campinas. Apresentamos o Sistema Digestório do corpo humano, para as turmas do 4º ano do ensino fundamental. Tenho certeza que você já deu uma espiadinha em alguns experimentos que mostramos aqui. Ainda não? Então aproveita. Alguns deles estão aqui e aqui.

Depois de aprendermos mais sobre o primeiro órgão do Aparelho Digestório, a boca, começamos a empurrar nosso bolo alimentar para os outros órgãos, afinal precisamos aproveitar a energia contida nele.

Mas o que é bolo alimentar? O alimento, ao chegar à boca, já inicia o processo de digestão. Primeiramente, ele é quebrado pelos dentes e começa a ser misturado, com a ajuda da língua, à saliva, que provoca sua umidificação. A saliva possui uma enzima chamada de amilase salivar, muco, sais e outras substâncias. Em virtude da presença da amilase, que é capaz de quebrar o amido, a digestão dos carboidratos inicia-se na boca.

Com a ação da saliva, da língua e dos dentes, o alimento torna-se uma pasta mole, que recebe o nome de bolo alimentar. O bolo alimentar é o nome dado, portanto, ao alimento mastigado e misturado à saliva.

E aí chegamos onde queríamos, o bolo alimentar formado na boca é impulsionado pela língua até a faringe e depois para o esôfago que através dos movimentos peristálticos chegam até o estômago.

E como funciona o movimento peristáltico? Também conhecidos como peristaltismo, consistem em movimentos involuntários realizados pelos órgãos do tubo digestivo (intestinos e esôfago). Esses movimentos são responsáveis por fazer com que o bolo alimentar caminhe ao longo destes, para que a digestão ocorra no devido local. Trocando em miúdos, é o ato de contrair e relaxar das paredes do nosso esôfago para empurrar o bolo alimentar até o estômago.

E olha o que fizemos…

sistema digestório movimento peristáltico
Esse pequeno esquema gráfico nos ajudou a entender o caminho percorrido
sistema digestório movimento peristáltico
Quem não tem esôfago, usa meia e arroz mesmo, foi assim que simulamos o órgão e seus movimentos
sistema digestório movimento peristáltico
E olha o interesse no nosso “esôfago”. Todos os alunos manipularam o experimento e simularam os movimentos peristálticos
sistema digestório movimento peristáltico
Com ajuda tudo fica mais fácil. Enquanto um contraía, outro relaxava. E viva o trabalho em equipe! <3

E foi isso, gente!

Na verdade, amigos pensadores, essa foi uma das experimentações mais difíceis que fizemos. Não encontrávamos material que nos possibilitasse simular com precisão o movimento que queríamos. Usamos bexiga mais farinha, bexiga mais água, bexiga fina, larga… o pessoal do quinto ano tentando ajudar, foi uma correria, mas no fim tudo deu certo. Tudo acaba bem quando termina bem, não é mesmo? 😉

E você tem alguma sugestão de material? Como você, professor, demonstraria para seus alunos essa parte do corpo humano? Conte pra gente!

Até a próxima!

 

Projeto Mascotes: o quarto ano e seu minhocário

Olá! Estão gostando de conhecer nossos mascotes?

Hoje, vamos falar dos mascotes das turmas do 4o. ano e da criação do minhocário.

Não sabe o que é o Projeto Mascotes? Você pode ler mais aqui e aqui.

E como começou o trabalho com a turma? A escola inteira já sabia das plantas carnívoras e começaram as cobranças das outras salas. Por que não tinha um mascote para cada turma? Ia ter planta para os 4º anos também? Todos perguntavam ao mesmo tempo!!

Olhando material antigo, e comparando com o conteúdo que devo trabalhar com os 4º anos resolvi montar um minhocário. Achei que os alunos teriam nojo de mexer com as minhoquinhas e que teria que montar tudo sozinha. Minha surpresa foi que não consegui nem chegar perto. A turma mesmo fez tudo sozinha, colocaram terra, substrato (adubo) e foram buscar folhas para deixar a terra mais úmida e nutritiva.

Alunos do quarto ano do ensino fundamental preparam solo para minhocário
Preparando o solo para as minhocas

 

turma do quarto ano preparando o minhocário
Preparação do minhocário
Imagem mostra alunos do quarto ano do ensino fundamental observando o minhocário
A professora não teve mesmo chance 🙂

 

Após a euforia da novidade passar iniciamos as pesquisas e observações para que as crianças possam entender a importância do pequeno animal invertebrado na natureza.

Primeiras observações.

Aproveitando que estávamos estudando o Sistema Digestório, trouxe para a sala um esquema do sistema digestório da minhoca. Nossa surpresa foi descobrir que é um sistema completo e que conta com um órgão diferente que é a moela, presente também nos pássaros. Eu ainda não sabia!! \o/

Vejam o esquema que mostrei em sala:

http://2.bp.blogspot.com/__H3hsEyAGm8/TT6VYIbvrUI/AAAAAAAAADU/-z6OF_ycZmc/s1600/sistema+digestivo+da+minhoca.jpg

E agora? Os alunos logo perguntaram: Pra que serve a moela?

Fomos atrás das informações e descobrimos também o papo, a coisa se complicou, por que tudo isso?

Pesquisamos e descobrimos que as aves também possuem papo e moela. A coisa piorou e buscamos mais informações… e aí que as descobertas foram tomando forma. Começamos a achar respostas!

Galinhas não tem dentes, muitas crianças ficaram surpresas com essa informação e em nossas pesquisas foi apontado que ela necessita de ingerir pedras e areia para ajudar no processo de digestão.

A galinha alimenta-se de grãos pois é uma ave granívora. Como consegue parti-los sem dentes?

Juntamente com os grãos, ela engole pequenas pedras.

No papo (bolsa no esôfago), o alimento é amolecido. A seguir vai para o proventrículo (1ª parte do estômago) que produz um suco digestivo e daí para a moela (2ªa parte do estômago). Quem já não comeu ou viu moelas? A moela é um órgão com uma forte parede musculosa que se vai contraindo. As pedras que a galinha engoliu ajudam a triturar os grãos de milho e outras sementes. Gostou? Pesquisamos neste site aqui.

Assim, com as dúvidas esclarecidas, era hora de curtir nossos mascotes! 😉

Nem nojo, nem medo. Nossos jovens pensadores de Ciências, gostam mesmo é de mão na massa! <3

Alunos do quarto ano do ensino fundamental preparam solo para minhocário
Aluno mexem na terra sem medo!
Alunos do quarto ano do ensino fundamental cuidando das minhocas
Alunos não tem nojo e cuidam tranquilamente de seus mascotes
Alunos do quarto ano do ensino fundamental cuidando das minhocas
Os alunos cuidaram pessoalmente das minhocas

E não é que elas estão se sentindo em casa?! 😀

Alunos do quarto ano do ensino fundamental terminam a preparação do minhocário
Minhocário pronto! Nossos mascotes em seu novo lar

E você? Que tal começar um minhocário em sua escola? Você pode sugerir ao seu professor! E você, professor? Que tal levar essa ideia para seus alunos. Deixe nos comentários suas dúvidas e sugestões!

Até a próxima!

Sistema digestório: Como funciona a bile?

Oi, gente!!

Como prometido nesse post aqui, falaremos hoje sobre nossa terceira experiência com o sistema digestório nas turmas do 4o ano, dos anos iniciais. A proposta desta atividade era mostrar a importância do fígado como produtor da bile e o papel desta substância para a digestão dos alimentos. Como estratégia inicial, houve uma conversa com os alunos para continuar explorando o que eles estava pensando sobre a digestão após a experiência com a quebra de proteína e com a mastigação feita com a língua parada.

Os alunos já tinham compreendido que a digestão não se dá só no estômago, e já estavam cientes do trabalho do organismo para quebrar amido, proteínas e carboidratos, mas ainda precisávamos falar do processamento da gordura que entra em nosso corpo, através dos alimentos. No livro didático, já havia imagens mostrando o fígado e explicando a função da bile (quebra de gorduras, para facilitar a digestão). Com as imagens, a conversa inicial e as experiências anteriores, ficou fácil propor mais uma observação sobre como nosso corpo funciona.

A proposta da experiência era simular o trabalho da bile na quebra de gorduras com o uso de DETERGENTE! Quer fazer também? Então dá uma olhada!

Você vai precisar de:

  • 02 copos com água
  • Detergente de cozinha
  • Óleo de soja

Veja o ANTES:

Copos com água e óleo, antes de acrescentar o detergente
Copos com água e óleo, antes de acrescentar o detergente

Modo de fazer:

Coloque o óleo nos dois copos com água. Em um dos copos, coloque o detergente, agite e aguarde alguns minutos.

E o DEPOIS:

No copo à esquerda, sem detergente, a gordura permanece intacta. No copo à direita, com a ação do detergente, as moléculas foram quebradas.
No copo à esquerda, sem detergente, a gordura permanece intacta. No copo à direita, com a ação do detergente, as moléculas foram quebradas.

Após observarem os resultados, fizemos mais uma roda de conversa e os alunos disseram que acham a bile muito importante, pois com sua função de quebrar as moléculas de gordura, ela facilita o processo da digestão. Muitos lembraram também que, às vezes, ingerem alimentos com muita gordura, principalmente em lanches na rua como salgados e pizzas.

Pedimos também que eles registrassem a preparação para experiência e suas considerações sobre o fenômeno observado.

Relatório sobre a experiência com simulação de ação da bile
Relatório sobre a experiência

E…aproveitando a visita ao Laboratório de Ciências, por que não dar uma espiadinha, não é mesmo? 🙂

Alunos investigando o laboratório antes da experiência com digestão
Alunos investigando o laboratório antes da experiência com digestão

E assim, terminamos esse ciclo de experiências com o sistema digestório. O mais positivo de realizar essas experiências foi ver o quanto todos da turma se envolveram com o conteúdo  das aulas de Ciências e conseguiram compreender. Compreender e passar conhecimento adiante!! Um dos alunos repetiu a experiência em casa e explicou para a família sobre o que aprendeu! É muito <3 né?

E você o que achou? Conta pra gente, já fez alguma experiência parecida? Deixe nos comentários suas sugestões, críticas e ideias.

Sistema Digestório: experiência com quebra de proteínas

No começo da semana, postamos aqui o resultado da experiência sobre a importância da língua para a mastigação. Na sequência das aulas, falamos sobre as outras partes integrantes do sistema digestório. As aulas sobre estômago e fígado também despertaram a atenção do 4°ano e então, decidimos fazer uma experiência que mostrasse a atividade das enzimas no processo de digestão.  Antes, perguntei aos alunos como eles achavam que a digestão acontecia. Eles disseram que toda a absorção de nutrientes era realizada no estômago e que o mesmo produzia um ácido que fazia a dissolução dos alimentos.

Apresentadas as hipóteses dos alunos, procurei lembrá-los de que a digestão começa com a mastigação e com a ação da saliva, que quebra o carboidrato e o amido. Exemplifiquei dizendo que, ao mastigarmos bem uma massa seca, sentimos um gosto doce no final. Essa sensação vem como resultado da quebra do amido, feita pela saliva.

Depois dessa conversa inicial, separamos o material para a experiência:

Você vai precisar de:

  • 02 Claras de ovos já cozidas
  • Água
  • Suco de abacaxi

Como fazer?

Coloque água em um copo e suco de abacaxi em outro, pique a clara de ovo e distribua de maneira igual entre os copos. Tampe com algodão e deixe em repouso por três dias.

Você iniciará a experiência assim:

Foto mostra experimento que simula função do suco gástrico na digestão.
Antes: copos com as claras ainda inteiras. um com água e outro com suco de abacaxi

No final, tivemos uma roda de conversa e vimos que apenas no copo 2 será possível perceber a diminuição da clara de ovo, já que a bromelina, enzima presente no abacaxi, provocou a quebra da proteína albumina. Expliquei para eles que, no estômago e no intestino delgado, as proteínas também são quebradas pelas enzimas.

Veja como ficaram as claras, após o período de 03 dias:

A comparação entre a clara que foi imersa na água e a que estava no suco de abacaxi
A comparação entre a clara que foi imersa na água e a que estava no suco de abacaxi
Clara mergulhada em água. Sem ação da bromelina, não houve quebra da proteína.
Clara mergulhada em água. Sem ação da bromelina, não houve quebra da proteína.
Clara de ovo que sofreu a ação da bromelina
Na clara de ovo que sofreu a ação da bromelina, podemos observar a ação da enzima

Após a nossa observação, fizemos relatórios escritos:

Imagem mostra relatório produzido por aluna após observar experiência de digestão e ação do suco gástrico no organismo.
Relatório da aluna após a observação da experiência

E também com imagens! 🙂

Relatório feito com imagem para ilustrar experiência com digestão
Um relatório também pode ser produzido com imagens

Demais né? Estamos cada vez mais orgulhosas destes pequenos pensadores de Ciências! 💕

Deixe aí nos comentários suas opiniões, críticas e sugestões sobre esse experimento.

E você pensa que acabou? Aguarde, porque ainda postaremos mais uma experiência sobre o sistema digestório!

Até a próxima vez!